Liminar suspende licitação das linhas da São Luiz/Falcão Real

Por Ônibus Paraibanos
Imagens Weiller Alves

O juiz Eldsamir da Silva Mascarenhas da 8ª Vara da Fazenda Pública de Salvador concedeu, nesta quinta-feira, 10/12, uma liminar a Empresa de Transportes São Luiz Ltda. que suspende todos os efeitos da licitação que tinha como objeto a outorga do serviço público de transporte rodoviário intermunicipal de passageiros no Estado da Bahia, com veículos tipo rodoviário, composta de 02 (dois) lotes para as áreas de operação de Juazeiro e Jacobina, que eram operadas pelas empresas São Luiz/Falcão Real, realizada pela AGERBA – Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia

A ação foi impetrada contra o Diretor Executivo da AGERBA.

De acordo com o processo, a São Luiz argumenta que há uma evidente confusão entre os conceitos estabelecidos pelo PARECER PA-NSAS-EAR-002/2020/Instrução Normativa SAEB nº 016/2020 e o Decreto Estadual nº 19.529/2020. Isso porque, conforme já mencionado, a PGE e a Secretaria de Administração do Estado da Bahia condicionam a realização das sessões através de videoconferência a essencialidade de contratação de serviço ou aquisição de bens indispensáveis ao atendimento das necessidades da Administração.

A empresa salienta que a própria AGERBA através do Decreto nº 10.329 de 28 de abril de 2020, expressamente retira o serviço público de transporte intermunicipal como atividade essencial.

Em um trecho do processo, o juiz questiona porque o serviço de transporte intermunicipal foi considerado essencial para a realização da licitação, mas foi suspenso em razão da pandemia.

Em entendimento harmônico, seguindo o decreto referido, o Governo do Estado da Bahia, ao reconhecer que o serviço não é essencial, determina a sua suspensão em razão da pandemia em mais de 300 linhas.

Ora, se o serviço é essencial, como quer fazer crer a dita autoridade coatora, associando-se a entendimento lançado nos autos do procedimento administrativo acima mencionado, por qual razão houve a sua suspensão? É essencial ou não?

Com isso, em outro trecho, o juiz Eldsamir da Silva Mascarenhas diz;“Não é proporcional que o serviço seja suspenso e se corra de forma desenfreada para se fazer uma licitação virtual, prejudicando a participação de concorrentes que tiveram o quadro de funcionários reduzidos em razão da própria pandemia e não poderão conseguir a documentação ou material humano suficiente para a concorrência.”

Ele também questiona o porque de não se aguardar o estado de normalidade para a realização da licitação, “vez que não afetaria o interesse público, na medida que a impetrante vem atuando no serviço de transporte por longos anos e já foi vencedora em outros certames?”

Considerando a postura governamental e sobretudo a suspensão do serviço, há clara identificação de que o serviço de transporte intermunicipal não é essencial. Não sendo essencial, não hã razão, pelo menos em análise de sede de cognição sumária, para se permitir que se faça licitação virtual e “às pressas”, como praticou a autoridade dita coatora.”

O juiz concedeu liminar em favor da São Luiz suspendendo todos os efeitos do certame até decisão final ou até que sobrevenha outra medida judicial revogando ou até que ocorra a licitação na modalidade presencial, após a superação da pandemia.

Clique no link ao lado para ver a liminar da São Luiz: Liminar São Luiz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Os primeiros Jum Buss 360 da Gontijo Repasses de Busscar da UTIL para a Brisa Ideale 1440 da Paraíba Turismo Paradiso DD da Itabus Ideale da VIX Logística Paradiso DD da Fabbitur Paradiso DD da Martinele Transportes Ideale da Tursan Turismo Comil Svelto da Viper Transportes Cidades com Tarifa Zero