Ônibus Paraibanos

Operação Pascal: outra van foge mas é apreendida pela ANTT

Por ANTT
Imagens / Vídeos Equipe de fiscalização da ANTT

O Grupo Tático de Pronto Emprego da Agência Nacional de Transportes Terrestres (GTPE/ANTT) realizou operação de combate ao transporte clandestino de passageiros nessa sexta (17/07) em Taguatinga/DF.

Uma equipe de reportagem embarcou numa viatura acompanhou a ação dos fiscais desde o monitoramento dos veículos até a interceptação.

Na ocasião, fiscais verificaram uma van realizando transporte clandestino de passageiros entre Taguatinga/DF e Águas Lindas de Goiás/GO. O veículo parava em todas as paradas de ônibus e dava embarque aos passageiros após cobrador anunciar o serviço.

O veículo seguiu sendo monitorado e ao perceber a chegada das viaturas da ANTT, realizou o desembarque dos passageiros e empreendeu fuga em alta velocidade e trafegando pelo acostamento. Contudo, foi interceptado na BR-251 próximo ao viaduto sobre a BR-070.

Os fiscais verificaram que o veículo não possuía extintor de incêndio e tacógrafo, nem cintos de segurança e, estava em péssimas condições de higiene e conservação. Além disso, o condutor não tinha habilitação para transporte coletivo de passageiros.

A van, que já havia sido apreendida pela fiscalização na semana passada, estava sendo monitorada também através do Canal Verde Brasil, um dos instrumentos que está sendo utilizado no planejamento ao combate ao transporte irregular. São pórticos que leem as placas dos veículos na rodovia e dão sua localização em tempo real para ANTT.

A ANTT alerta sobre os perigos de utilizar o transporte clandestino de passageiros. Via de regra, no transporte clandestino os motoristas não possuem treinamento, cumprem jornadas exaustivas de trabalho e os veículos são precários, geralmente apresentando péssimo estado de conservação manutenção, o que aumenta em quatro vezes a letalidade dos acidentes envolvendo esse tipo de transporte.

A Operação Pascal da ANTT segue em todo país e em caso de denúncias contra o transporte clandestino, os usuários podem entrar em contato através do telefone 166, do e-mail [email protected] ou WhatsApp (61) 9688-4306.

Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.