Ônibus Paraibanos

IPALMA: orgulho no sertão paraibano nos anos 60

Por João Trindade
Imagem Acervo

A Empresa Viação IPALMA foi uma empresa patoense (Patos – PB) que liderou, na década de 1960, as linhas intermunicipais que ligavam o sertão ao litoral, sendo que detinha, também, a concessão de uma linha interestadual.

A denominação IPALMA tem origem nos nomes dos donos da empresa: Zéu Palmeira e Ivan Lucena; IPALMA é, portanto, uma junção de Ivan e Palmeira.

É, sem dúvida, assombroso o número de linhas da empresa, para um empreendimento de uma cidade do interior. As principais linhas da IPALMA foram:

Intermunicipais:

João Pessoa – Conceição

Patos – João Pessoa

Patos – Campina Grande, via Salgadinho

Patos – Itaporanga, via Olho D’água

Interestadual:

Patos – Garanhuns (PE)

Em relação ao sertão, as empresas concorrentes da IPALMA eram a Gaivota e Andorinha, que operavam as linhas Cajazeiras – João Pessoa e a empresa Batalhão, de Taperoá, que, entre suas linhas, tinha a Princesa Isabel – João Pessoa.

Os ônibus da IPALMA eram alvirrubros, a cor do Esporte Clube de Patos, cujo dono (chamado, eufemisticamente, presidente) era Zéu Palmeira; e a maioria era Mercedes Benz, com carroceria Ciferal.

No final dos anos 1960, todas as linhas da IPALMA foram vendidas à Patoense, também da cidade sertaneja, que praticamente monopolizou os transportes entre o sertão e o litoral. A empresa Batalhão encerrou as atividades nos anos 1970, tendo vendido a linha Princesa Isabel – João Pessoa à Expresso Nacional (hoje, Nacional).

A Patoense foi, posteriormente, vendida à Transparaíba e esta à Guanabara; hoje, detentora da concessão.

Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.