Empresa com a frota mais nova de João Pessoa, Santa Maria chega a primeira década

A empresa foi fundada a partir da compra da Boa Viagem pelo Grupo A.Cândido, herdando o nome da maior empresa da holding em Natal

Por Ônibus Paraibanos
Imagens Paulo Rafael Viana  / Kristofer Oliveira / JC Barboza / Massilon Junior / Josivandro Avelar

O ano era 2009. A Boa Viagem, empresa fundada em 1994 como sucessora direta da ETUR, enfrentava vários problemas, como quebra de ônibus e até a falta deles em várias linhas. Era o reflexo da gestão do grupo carioca TAU – Transportes Amigos Unidos – que também já não ia bem no Rio. A frota quase toda da empresa já rodara na Oeste Ocidental, gerida pela TAU. Mas essa situação estava perto de acabar.

Após vários rumores na época, o rumor de que o Grupo A.Cândido havia comprado a Boa Viagem se confirmou no final do ano de 2009. Os primeiros quatro ônibus da frota – todos zeros e do modelo Apache Vip II, estreante na cidade – vieram em dezembro.

O Grupo A.Cândido não assumiu o espólio da Boa Viagem sozinha: a holding assumiu as linhas municipais de João Pessoa e do Conde, bem como ficou com a maioria da frota; as de Alhandra e Pitimbu ficaram com a PB Rio, que ainda ficou com três microônibus. Já as linhas rodoviárias do brejo ficaram com a Viação Rio Tinto, no que foi um divisor de águas para a empresa – mas isso são outras histórias.

O grupo TAU saía da Boa Viagem, de João Pessoa, da Paraíba e de cena. Suas empresas no Rio de Janeiro passaram a ser geridas pelo grupo Breda Rio.

Nova gestão, novos ares – e muito trabalho a fazer

O Grupo A.Cândido assumiu as linhas da Boa Viagem em 01/01/2010. Os novos ônibus adquiridos no mês anterior entraram em circulação ainda com o nome Boa Viagem estampado, mas com a nova pintura da nova empresa, inspirada na da potiguar Atar Locações, do mesmo grupo empresarial. O azul claro começava a tomar conta das ruas da cidade.

Os ônibus velhos da gestão anterior foram paulatinamente sendo baixados. Como havia muito trabalho a fazer, ônibus da Transnacional e Reunidas foram remanejados para a nova empresa. O que deu para aproveitar da frota da Boa Viagem foi um Mega de 2006, quatro Spectrum City de 2007 e cinco Torinos de 2008 – todos eles eram as últimas compras de zero da empresa.

A gestão A.Cândido ainda conseguiu resgatar dois dos Viales 1417 que a TAU trouxe, além dos Viales de 2002 também adquiridos zero pela Boa Viagem. Todo o resto foi embora.

Do que rodava no Conde, não sobrou nada. Vários ônibus desativados da Transnacional e da Reunidas cobriram emergencialmente as linhas do Conde enquanto a frota definitiva não chegava.

Do caos a redenção

Nada poderia ser mais marcante do que começar a mandar embora de vez a frota velha da Boa Viagem. Poucos da frota velha se seguraram nessa fase de transição, uma vez que foi necessário recorrer as outras empresas do Grupo A.Cândido para deixar a imagem de caos para trás.

Em março de 2010, chegou o primeiro lote de Torino zero quilômetro da empresa, num total de oito unidades. Foram entregues com o novo terminal do Colinas do Sul. Era um marco: até então era no Colinas do Sul que rodava a frota mais velha da Boa Viagem. Agora roda carro zero quilômetro.

Unidades do Torino, Mega e do Apache Vip II oriundas do Rio de Janeiro e fabricadas entre 2007 e 2008 – a época três anos de uso – também ajudaram na recuperação da frota municipal da empresa. Os últimos carros zero da Boa Viagem e os Viales de 2002 também foram reformados e recuperados.

No Conde, a frota provisória foi substituída pela primeira frota fixa da era A.Cândido: o modelo Foz Super, da CAIO, estreava no urbano da Paraíba através de quase 10 unidades de fabricação 2007 (3 anos de uso à época) oriundas do Rio de Janeiro.

Mudança e crescimento

A nova empresa do Grupo A.Cândido assumiu as linhas 103, 105, 113, 116, 501 e 5110, além da I009, linha essa que a antiga gestão da Boa Viagem brigou para operar, e que no fim passou a ser dividida com a São Jorge, que até então a operava sozinha. Além delas, as linhas do Conde e Jacumã. Mas ainda era pouco para ela.

Em 1º de junho de 2010 assumiu as linhas 109 e 1510, até então da Reunidas, que por sua vez recebeu como compensação as linhas 2515 e 603, até então da Transnacional. Mais cinco ônibus zero quilômetro foram adicionados, além de mais remanejamentos.

Pouco menos de sete meses depois de inaugurada, o Grupo A.Cândido começa enfim a estampar seu novo nome na nova empresa. A Boa Viagem saía de vez de cena e entrava em seu lugar a Santa Maria. Tal como a pintura, o nome também é uma herança natalense, adotando o nome da empresa que, na capital potiguar, usa as três listras da Transnacional. A empresa ainda inaugura uma nova garagem, ao lado da concessionária Unidas Mercedes-Benz – também do grupo.

No ano seguinte, assume as linhas 002 e A002, até então da Transnacional. Leva junto seus novos ônibus, que seguem na linha, recebendo aquela que seria a sua nova versão da pintura azul da empresa; agora ela ia até as janelas, não mais até o teto. E sem máscaras pretas nas janelas.

Três ônibus zero quilômetro vem com a nova versão da pintura. Em 2012, mais três novos e quatro seminovos. Dentre os novos ônibus de 2012, seu primeiro Euro V.

A maior frota Euro V

Enquanto os Foz Super do Conde eram trocados pelos Spectrum City ex-Rio que eram do fretamento da TBS, a frota municipal recebia mais Euro V. Em 2013, vieram quatro unidades. Em 2014, doze – duas dessas unidades, os primeiros New Torino da empresa.

Em 2015, a empresa foi a única entre todas as empresas da cidade a adquirir ônibus zero – cinco na ocasião. Em 2016, sete unidades. Em 2017 e 2018, seis unidades. E ainda vieram cinco seminovos oriundos de Belo Horizonte.

Em 2019, adquire dez ônibus seminovos, todos Euro V. Tais aquisições acumuladas conferem a empresa a marca de maior frota Euro V da cidade em números proporcionais ao seu tamanho.

Novos destinos e mudanças

Em 2012, a linha 501, do Colinas do Sul, passa a operar como 2501 e 5201. Dois anos depois, assume a linha 114, do Grotão, da Reunidas. E a junta com a 116-Colinas do Sul, que desde então passa a operar em três itinerários dentro do bairro.

Em 2016, passa a operar a linha 9901, do Mangabeira Shopping. E em 2019, assume a 101-Grotão, também ex-Reunidas. Na Santa Maria, passa a ser 101A.

Por outro lado, deixa de operar as linhas do Conde, que são assumidas pela Transnacional. Por um breve tempo operou em Bayeux.

O presente e o futuro

A Santa Maria chega ao seu décimo ano com mais de 60 ônibus nas seguintes linhas:

  • 101A – Grotão/Colinas do Sul
  • 103 – Gramame
  • 105 – Cidade dos Funcionários
  • 109 – Rua do Rio
  • 113 – Gramame/Mituaçu (integracional)
  • 116 – Colinas do Sul
  • 1510 – Circular
  • 2501 – Colinas do Sul/Rangel-Epitácio
  • 5110 – Circular
  • 5201 – Colinas do Sul/Epitácio-Rangel
  • 9901 – Mangabeira Shopping/Valentina
  • I009 – Boa Esperança (dividida com a São Jorge)

Com a frota mais nova de João Pessoa, a empresa se destaca também por ser a menos poluente. Com a maior parte de sua frota composta por unidades Euro V e com motoristas treinados, com programas de capacitação e condução econômica, permite-se assim uma melhor otimização dos recursos. Hoje a Santa Maria é uma das empresas com melhor manutenção da cidade, no que se reflete numa baixa taxa de quebras.

A Santa Maria de hoje é o oposto do que a Boa Viagem foi antes de ser adquirida para sua criação. Se antes faltava ou quebrava ônibus nas mesmas linhas com a Boa Viagem, hoje isso é praticamente raro na Santa Maria, que vem tirando de letra e mostrando que é possível superar as adversidades do sistema com trabalho da gestão e de seus colaboradores.

O site Ônibus Paraibanos parabeniza a Santa Maria pelos seus 10 anos e agradecemos pela gentileza e cortesia com a qual a empresa e seus colaboradores sempre nos tratou. Que esses sejam os primeiros dos muitos dez anos que a empresa irá comemorar!

Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.