Ônibus Paraibanos

Camilo Cola, um homem que é história

Fonte: Estradas/Portal Ônibus Paraibanos
Fotos: Acervo Paraíba Bus Team

A
maioria das pessoas assistem a história acontecer. Algumas, por diversas razões
e oportunidades, fazem parte da história, mas outras, raros personagens no
mundo, são história. Esse é o caso de Camilo Cola, filho de imigrantes
italianos, que começou a trabalhar numa rampa lavando carros e hoje, aos 82
anos, ainda comanda a o maior grupo de transportes do Brasil e maior empresa de
transporte rodoviário de passageiros do mundo. Aos 18 anos, Camilo Cola
alistou-se na FEB (Força Expedicionária Brasileira), num regimento de
infantaria, onde sua experiência com mecânica e direção eram úteis, e
participou de batalhas e missões em Monte Castelo e Montese na Itália. 

Foi
justamente a experiência da guerra e o dinheiro que economizou nesse período,
que deram a Camilo Cola os ingredientes para iniciar sua trajetória de sucesso
no setor de transporte de cargas e depois passageiros.
Fluente
em italiano, Camilo Cola passou uma semana em Florença, alojado na garagem da
empresa italiana de ônibus, onde ficava observando com interesse aqueles
veículos e refletindo sobre o transporte de passageiros na Itália, em que a
infra-estrutura de rodovias era excelente para os padrões da época e comparava
com a realidade brasileira.Teve acesso aos documentos da companhia, os quais
lia com grande interesse e começou a refletir sobre o futuro do transporte no
Brasil, onde as ferrovias não atendiam as necessidades de um país continental.
Camilo
Cola revela que, uma das coisas que mais o impressionou na guerra, foi o
comportamento das pessoas. Apesar de precisarem de tudo não pediam nada.
“Elas tinham dinheiro, mas não havia o que comprar, e não aceitavam nada
de graça”. Pelo seu conhecimento do idioma e origem italiana, foi sempre
tratado com especial cortesia pelas pessoas e descobria o que elas precisavam.
Ao
mesmo tempo que economizava seu soldo, Camilo Cola vendia os cigarros da sua
cota, que todos os soldados tinham direito, bem como outras mercadorias que
comprava dos soldados para a população, que tinha dinheiro, mas não encontrava
os produtos. Assim criou seu capital de giro e recursos para comprar seu
primeiro caminhão quando regressou da guerra.
Sua
experiência na guerra, além de fundamental para seu futuro como empresário,
marcou sua vida como ser humano e Camilo Cola retornou com freqüência à Itália,
como em abril deste ano, para uma série de eventos comemorativos dos 60 anos da
FEB.

Ao
retornar ao Brasil, após a participação do Brasil na guerra, Camilo Cola,
iniciou suas atividades no setor de transportes, com um caminhão, com o qual
enfrentava as precárias estradas brasileiras. Em 1948 surgiu a oportunidade de
ingressar no setor de transportes de passageiros Começou adquirindo a linha
Castelo-Cachoeiro de Itapemirim, e criou a empresa ETA “Empresa de
Transportes Auto Ltda.”, embrião da gigante de hoje Itapemirim, que só
veio a ser constituída com esse nome em 1953.

No
seu livro “A Estrada da Vida”, Camilo Cola conta que conseguiu nesse
entretempo a representação da Goodyear e, nas caminhadas noturnas que fazia com
sua esposa e eterna companheira Ignez, pelas ruas de Cachoeiro, como quase
ninguém possuía garagem, ao encontrar os carros estacionados na rua, colocavam
nos pára-brisas dos veículos com pneus carecas um pequeno anúncio, informando:
“Vendem-se pneus novos da Goodyear. A bom preço. À vista ou
financiado”. 

Em
1953, já com 29 ônibus e uma empresa cujo porte era equivalente às maiores do
interior do Rio e São Paulo, Cola decide criar o próprio parque de manutenção
da empresa, inspirado em dois empreendimentos de grande porte feitos na África
do Sul por duas empresas inglesas de transporte de cargas. Essa iniciativa do
empresário cuja fama já ultrapassava as fronteiras do seu estado, foi
fundamental para o desenvolvimento da Itapemirim e das inovações que o grupo
trouxe para o setor de transporte de passageiros.
Paralelo
ao espírito empreendedor e criatividade, Camilo e Ignez mantinham um padrão de
vida espartano, que permitira acumular recursos e desenvolver princípios que
inspiraram o padrão de administração da empresa e explicam parte de seu
sucesso.
Nos
anos 50, os empresários do setor de transportes enfrentavam dificuldade de
financiar seus investimentos, já que não existiam praticamente linhas de
crédito de longo prazo nos bancos. Conhecido por sua honestidade, dedicação ao
trabalho e uso parcimonioso e responsável dos recursos, Cola conseguiu dinheiro
com pessoas de posse que emprestavam pela mesma taxa que conseguiam nos bancos.
Com isso, o empresário conseguiu recursos que permitiam atender as necessidades
de expansão da empresa.
No
parque de manutenção da empresa, a Itapemirim começou a desenvolver novas
carrocerias para ônibus, ampliando os bagageiros tão importantes para os passageiros
brasileiros que carregavam muita bagagem e os comerciantes que precisavam de
espaço para as mercadorias. As modificações foram tão bem sucedidas que
começaram a ser adotadas pela Mercedes Benz. Era a “Camilo Service”,
ensinando os alemães a trabalhar no mercado brasileiro.
Em
1965, sempre em busca de novos conhecimentos, Camilo foi com a esposa para os
EUA, onde passou a conhecer em detalhes como funcionava o sistema de
transportes rodoviários nos EUA. Na época foi recebido na Greyhound, a maior
empresa do setor no mundo, então com 4.000 ônibus. A partir dessa viagem Camilo
estabeleceu meta de 3.000 ônibus, aproveitando que o governo sinalizava que a
interiorização do país era inevitável e seriam investidos muitos recursos na
ampliação da malha rodoviária. Os anos que vieram provaram que a interpretação
do futuro de Cola estava certa e a Itapemirim superou a própria Greyhound.
Em
1970 e empresa já possuía 600 veículos, superou os 1.500 em 1980 e chegou a
quase 1.700 em 1990. Em 1976 começou a produzir os ônibus de três eixos, os
chamados Tribus, que foram um grande sucesso pelo conforto e vantagens que teve
após a lei da balança, que determinava um peso máximo por eixo.

Em
fins de 1973, a empresa assumiu o controle da Nossa Senhora da Penha, que abriu
as portas para o mercado da região sul e representou um grande salto na
empresa, já que a Penha possuía frota equivalente a metade da Itapemirim. A
aquisição teve repercussão internacional e, um aspecto fundamental na forma de
conduzir a incorporação da empresa paranaense foi à preocupação de Camilo Cola
de valorizar os profissionais que trabalhavam na Penha.

Em
1980 entrou na linha Rio-São Paulo, ao adquirir as linhas da Única. Com os
Tribus novos e muito confortáveis, encontrou o diferencial para enfrentar a
concorrência das competentes Expresso Brasileiro e Cometa. Em 1982 a Itapemirim
chegou a ter metade do mercado mais importante do país: a ponte rodoviária.

Em
1995 a Itapemirim lançou o Starbus, ônibus executivo. Em 1998 chegou o Golden
Service, com conforto do leito, ar condicionado e tarifa de executivo. Depois
vieram o certificado ISO 9002, a venda pela internet, a revista “Na
Poltrona” e várias outras inovações.

O
sucesso da Itapemirim tornou Camilo Cola um dos maiores empresários do setor de
transportes do mundo e um dos grandes responsáveis, juntamente com outros
empresários do mesmo setor, pela integração do Brasil.
Além
das atividades empresariais, Camilo Cola, também esteve envolvido na política e
levou sua experiência administrativa para a Confederação Nacional dos
Transportes Terrestres, onde teve marcante gestão, principalmente durante os
trabalhos da Constituinte, defendendo os interesses dos transportes nacionais.

Além
do transporte de passageiros e carga por via rodoviária, a empresa opera também
com transporte aéreo de cargas, possui concessionárias de veículos, fazendas,
empresas de turismo, postos e indústria. Num leque variado de atividades. Mas o
coração da empresa está em Cachoeiro do Itapemirim, onde Camilo Cola criou
raízes e mora numa confortável casa, literalmente dentro de área da empresa.
O
êxito de Camilo Cola pode ser creditado a vários fatores. Um dos mais
importantes foi sempre manter contato permanente com os clientes, identificando
suas necessidades e aproveitando as queixas e sugestões para melhorar a empresa
e administra-la cada vez de forma mais eficiente.
Sua
paixão pelo trabalho, capacidade de antever o futuro, parcimônia no uso dos
recursos, ousadia com responsabilidade, espírito de equipe, capacidade de
liderança, são outras qualidades inegáveis. Mas a força de Camilo Cola, a mola
mestra de sua história, foi a sua história familiar. Os princípios que formaram
sua personalidade, a sorte na companheira que encontrou, disposta participar da
história desse homem, cujo sucesso pode ser medido em bens, finitos como todos
nós, mas cujo legado e importância para a integração do Brasil e não apenas da
história dos transportes em nosso país, atravessará a fronteira do tempo.

Compartilhe esta matéria

7 comentários em “Camilo Cola, um homem que é história”

  1. EU ACONSELHARIA,QUE PARA EVITAR CRIMES DE HOMICÍDIOS POR QUESTÕES DE HERANÇA,O DR.CAMILO COLA,OS FILHOS E NETOS ENTRASSEM EM ACORDO PARA VENDA DA PRÓPRIA VIAÇÃO ITAPEMIRIM EAS DEMAIS EMPRESAS DE TRANSPORTES AGRUPADAS.SÓ ASSM TUDO TERMINARIA NA PAZ.EU JÁ VIAJEI DFIVERSAS VEZES PARA BRASÍLIA NESTA EMPRESA.

  2. Nildo Alves Torres

    Boa tarde eu sou motorista desta empresa, tenho mi orgulho ,pq apesar dos acontecimentos , nos funcionários temos um tratamento VIP, diferenciado de qqr outra empresa do ramo.hoje na atualidade continuamos ter nossa alimentação descente dentro de nossas garagens,como café da manhã, almoço (e não e fraco não,e top de dar inveja a qualquer outra casa) o café e chá 24 horas com acesso livre , alojamento limpo, colchões novos,e ar condicionado no 15.e verdade que possamos momentos tenebrosos,mas nosso bem estar nunca foi afetado.e claro que tem as más línguas pra falar besteira,mas se o filho de Deus foi traído, paciência.
    Digo mais ,pra quem está fora e almeja uma vaga fiquem de olho esta máquina está a todo vapor , estamos produzindo e crescendo todos os dias,sente na arquibancada e reserve sua vaga no camarote.itapemirim é itapemirim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.