Ônibus Paraibanos

Linhas da Penha: Um desafio para a mobilidade

Fonte: Blog Josivandro Avelar
Matéria/Texto: Josivandro Avelar

Durante a realização do maior evento religioso
do estado da Paraíba, o bairro da Penha, em João Pessoa, recebe aproximadamente
entre 120 até 200 mil pessoas na realização da Romaria em homenagem a Nossa
Senhora da Penha. O maior movimento que o bairro recebe todos os anos e
que é famoso em nível estadual por isto. Logo a Penha tornou-se um destino do
turismo religioso, que fica ao redor de áreas de turismo recreativo e de
negócios (este em fase de início), como a Estação Ciência e o Centro de
Convenções. Mas algo parece não avançar num local promissor como este. E esse
problema está justamente em como as pessoas se deslocam; seja indo ou vindo.

Bairro residencial, e
onde também gira um comércio de serviços (bares, restaurantes e outros
comércios de beira da praia, área essa última mais concentrada na Praia do
Seixas), um dos maiores problemas da Penha é a mobilidade urbana, tanto para
quem lá mora quanto para quem lá vai. Ela não está acompanhando o movimento
de valorização e ocupação dos locais que se desenvolveram ao redor do bairro. Um dos poucos avanços que se pode
citar da área onde está, inclusive, o ponto mais oriental das Américas, foi a
transferência de terminal do 507 para a Estação Ciência tão logo ele foi
inaugurado. Porém, dos 14 ônibus da linha 507-Cabo Branco, só um avança até a
Penha.
E
ainda temos o caso 2307-3207. A linha mesmo com todo o crescimento de demanda
permanece imutável. E nem adaptado tem. Somado ao fato de que o carro do 507
que sobe até a Penha não é adaptado, a Penha um dos poucos da cidade que não
dispõe de transporte adaptado para portadores de necessidades especiais. E
nenhum dos carros que lá roda tem o mínimo de requisitos de acessibilidade
(eles vão muito além de um elevador).
E
é isso, e muito mais, que veremos agora em mais uma matéria especial do Blog
Josivandro Avelar.
O bairro
A
Penha já não é mais a comunidade distante de outrora. Fica ao lado do Cabo
Branco, a menos de dois quilômetros da Estação Ciência. O que atrai a demanda
do 207 (ou 2307/3207) em finais de semana e feriados são as praias da Penha e
Seixas. Aliás, essas linhas passam justamente no ponto geográfico conhecido
como o extremo oriental das Américas.
Todos
os anos acontece no bairro (aliás, no bairro não, na cidade mesmo, e termina no
bairro) um dos maiores se não o maior evento religioso do estado, a Romaria de
Nossa Senhora da Penha, que vai do cruzamento da João Machado com a Trincheiras
até o Santuário da Penha, num percurso de 14 quilômetros que os fiéis fazem na
madrugada do último domingo do mês de novembro.

mais de 200 anos no último domingo de novembro, romeiros de todo o estado se
dirigem a João Pessoa para participar da romaria. Dezenas de milhares de
pessoas caminham 14Km da Igreja de Lourdes, no Centro, até o Santuário da
Penha, já na orla marítima da capital.
Foi
ao redor do Santuário, fundado em 1763, que o bairro da Penha se desenvolveu.
Inicialmente como uma vila de pescadores. Muito dessa história ainda pode ser
encontrada lá. Trata-se de uma das primeiras áreas do litoral ocupadas
efetivamente em João Pessoa, que nasceu às margens do Sanhauá. Os primeiros
registros de ocupação das outras praias datam de bem mais tarde.
Conexão com o resto da cidade
A
própria romaria quando começou a ser realizada praticamente abriu caminho para
que a Penha se conectasse com o restante da cidade. Porém só no final dos anos
1980 é que a via que interliga o bairro à Zona Sul foi asfaltada (é a Avenida
Hilton Souto Maior).
Neste
registro da época, pode se ver um carro da então empresa Nossa Senhora das
Neves, que operava a linha Penha/Rangel, passando pela então rua enlameada.
A
linha 207 nos anos 1980. Aqui o problema era a infraestrutura das vias. Esse
problema foi solucionado, mas o do transporte não.
Essa linha, junto com a
508 da também antiga Marcos da Silva, possuíam cada uma um carro. Já chegou até
a existir uma linha Penha/Pedro II, que tão breve rodou, breve saiu.
Desde
2004 rodando como linha de domingos e feriados, o 207 (código da linha
Penha/Rangel) tem uma certa fama dentro da cidade. Além de concentrar na
maioria das vezes os veículos mais antigos da empresa que a opera, não faltam
histórias de quem a usa.

Linha 207
hoje: opera somente nos domingos e feriados.
A linha Penha-Rangel foi
transformada em circular no ano anterior, 2003 (a pretexto do quê não se sabe,
pois o problema “demora” não foi solucionado). Operam hoje como 2307 e 3207,
com dois veículos cada uma num ciclo de 50 minutos de um a outro. Um tempo de
espera homérico, diga-se de passagem.
A oferta de transporte público na Penha
Por
conta disso, a oferta de transporte no bairro cresce em média 20 a 30 vezes
para levar as pessoas de volta para os bairros. Num domingo normal, a oferta de
transporte do bairro é de, em média, 10 veículos nas linhas que operam lá (207,
2307, 3207, 507A, P008 e I007).
Em
dias úteis, a oferta é de sete veículos em quatro linhas (2307, 3207, I007 e
507A). Ou seja, é um local onde a mobilidade urbana é bem complicada, e a
infraestrutura do bairro (nas ruas onde trafegam os ônibus) é boa. Ou seja,
nada justifica que o transporte público do bairro seja tão deficiente.

A linha Mangabeira-Praia só roda nos domingos e
feriados, e ninguém sabe ao certo de onde essa linha parte. Tal linha poderia
rodar como integracional em dias úteis.
E se não fosse a
mobilidade urbana do bairro ser ineficiente, ela ainda é inacessível a quem tem
limitação de movimentos. Nenhum dos veículos que rodam nas linhas é adaptado
(nem com elevador, nem com poltronas sinalizadas ou anteparos com relevo, a bem
dizer, sem o mínimo de dispositivos de acessibilidade possíveis). Ou seja, se
um cadeirante, por exemplo, quiser ir para o bairro, não terá condições de
fazer isso de ônibus.
Circulares da Penha: solução paliativa
As
linhas 2307 e 3207 substituíram a 207 em março de 2003. Ao invés de dois
veículos como era até esse ano, as linhas passaram a operar com dois carros
cada, sendo que dois saem da Penha sentido Pedro II voltando pela 2 de
Fevereiro, e os outros dois saem do bairro fazendo o itinerário oposto. A
medida trouxe uma maior oferta de itinerário para os moradores do bairro, visto
que agora podem ter acesso aos Bancários e a UFPB.

A linha circular 3207, sai da Penha e faz o
itinerário Pedro II-Rangel. Junto com o 2307, que faz o itinerário oposto, são
as principais linhas do bairro da Penha.
Como todas as medidas
das autoridades de transporte da cidade, a solução foi tomada de uma forma
paliativa. O tempo de espera entre um carro e outro da linha (que são apenas
dois em cada) continuou sendo de 50 minutos a até mais de uma hora. O que para
quem tem compromissos marcados e dependa da linha, não tem paciência que
aguente.
De
10 anos para cá a população do bairro pode ter aumentado, a da cidade também, e
os carros continuam sendo dois para cada linha. Como citado anteriormente,
nenhum deles adaptado; sempre são alguns dos mais antigos que a empresa tem. Só
o mais velho dos quatro veículos tem oito anos de uso; geralmente, um carro
fixo de uma linha não costuma passar dos cinco, seis anos de idade, e depois
vai para a reserva operacional.
Como
sozinha a linha não dava conta do dia de maior demanda, o domingo, as linhas
recebem o reforço do 207 (voltou para isso, rodar nos domingos e feriados),
além de ser reduzida em um carro em cada linha (já que o corredor 2 tem mais
demanda que o 3 neste dia).
Destinos difíceis
Os
carros para a Epitácio Pessoa, que antes eram três, caíram para um, que nada
mais é que um “puxadinho” da linha 507-Cabo Branco. A Penha já teve uma linha
direta para a Epitácio (508), mas ela foi extinta.

É esse carro que transporta a demanda da Penha via Epitácio Pessoa. O
que identifica que esse carro passa na Penha é uma placa.
A linha dispõe de nove
adaptados, mas o carro fixo que vai até a Penha não tem acessibilidade. E ainda
é difícil para o morador conseguir identificar o 507 que vai para a Penha se
não for por uma discreta placa no vidro do ônibus.
E
quem não quiser esperar por ele, tem que esperar por um dos dois ônibus da
linha I007, uma linha alimentadora que vai da Penha até o terminal da linha
507. De lá usa o veículo da última sem pagar uma segunda passagem. Os
microônibus, que são dois, parte em média de meia em meia hora.

Um dos microônibus que fazem a linha integracional da Penha ao Cabo
Branco. Interliga três pontos finais da Marcos da Silva.
As linhas não conseguem
acompanhar a demanda de crescimento
E
o nosso foco é justamente aqui, no 2307-3207. A linha está trafegando numa área
que está gradualmente se valorizando. Estão em construção obras como o
Mangabeira Shopping e a Escola Técnica Estadual. A demanda das linhas explodiu
dada a atração da mão-de-obra que constrói não só essas obras, mas prédios
residenciais ao redor atraídos pelas mesmas. Não é para menos que o metro
quadrado daquela área do bairro aumentou de preço. Se há dez anos atrás ninguém
movimentava a Hilton Souto Maior, o mesmo não se pode dizer agora. Uma hora os
pedreiros vão dar lugar a estudantes, funcionários públicos, professores e
comerciantes, além de moradores e quem for visitar o Shopping. E
essa demanda não partirá só do bairro de Mangabeira.
Bem,
um tempo atrás usando a linha 2307 só do Rangel para a Integração, pude
constatar isso. 6:20 da manhã, a linha já tem enchido. Os registros fiz mês
passado.

Um desses
dias que usei a linha 2307. As fotos eu fiz após desembarcar do carro.

E para
comprovar, reparem na placa “Integração Detran”, que ajuda a
identificar um veículo da Penha. Isso que aparece na frente da foto é o fio do
fone de ouvido do celular…
Apesar do crescimento
visível e notável da demanda, as duas linhas continuam com a mesma estrutura de
dez anos atrás: dois carros cada linha.
Ou
seja, alguém esqueceu de ver isto.
Para ajudar a amenizar
Começa
logo pelo aumento de um ou dois carros em cada uma dessas duas linhas: dois é
muito pouco para o itinerário e pela demanda. Ao visto, a Superintendência
Executiva de Mobilidade Urbana quer deixar tudo em cima da hora ao invés de
antecipar-se à explosão de demanda que as novas obras da Hilton Souto Maior
deixarão quando estiverem prontas. Apesar de na Hilton Souto Maior trafegarem
linhas do Cidade Verde, o 2307 e o 3207 são o único acesso do Rangel à essa
rua; o 209, que poderia ajudar, trafega na Josefa Taveira, rota onde já passa o
203 (é só mais um capítulo da má distribuição das linhas de Mangabeira que
trafegam no Rangel, onde pode-se ver linhas que trafegam absolutamente nos
mesmos locais trafegando pelas mesmas ruas).
Isso
também pode-se aplicar ao próprio bairro da Penha, que deve acompanhar esse
crescimento. E mais: de ônibus, mal se chega ao
recém-inaugurado Centro de Convenções. Você tem que ficar na
dependência de uma linha integracional da Marcos da Silva, se é que passa lá.
A
área precisa ser melhor acompanhada pelos órgãos de mobilidade. A demanda
turística, residencial e de mercado inevitavelmente vai migrar para esse local.
Melhor prevenir-se de transtornos logo do que solucionar tudo em cima da hora.
Se sabe que um local vai atrair gente, é preciso soluções de como posso
realizar o deslocamento de toda essa gente.
Assim
seria melhor que a única romaria que os moradores da Penha acompanhassem seja a
que é realizada hoje, e não a romaria diária para esperar um ônibus.
Compartilhe esta matéria

1 comentário em “Linhas da Penha: Um desafio para a mobilidade”

  1. Ótimo post. Você trouxe informações difíceis de encontrar nos próprios sites da prefeitura.
    Estou procurando saber quais ônibus passam por Quadramares, ou pelo menos por perto. Encontrei informações sobre horários, frotas e pontos finais. Você sabe algum site que apresente o trajeto?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.