Passeio pela linha de montagem

Fonte: Bus News
Fotos: Divulgação

O BusNews
se juntou a um grupo de consultores de vendas recém-contratados e fez uma
visita pela fábrica da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo. O passeio começou
com uma apresentação sobre o Grupo Daimler e a planta no ABC Paulista, a maior
fábrica fora da Alemanha. O complexo possui mais de 500 mil metros de área
construída e abriga prédios onde se constroem caminhões e chassis de ônibus,
além dos agregados motores, eixos e transmissões. Também está instalado ali o
Centro de Desenvolvimento Tecnológico, onde são desenvolvidos diversos projetos
em parceria com a Alemanha.

Em
seguida o grupo se dirigiu ao prédio onde são fabricados os motores. O processo
de produção de motores é totalmente automatizado, por exemplo, a divisão de
apertadeiras possui “braços mecânicos” que verificam o torque especificado para
cada parafuso. Em algumas etapas, como a de montagem das camisas de pistões,
utilizam-se robôs. 
A
preocupação com a qualidade de seus produtos é uma obsessão da Mercedes-Benz.
Todas as etapas de fabricação são verificadas exaustivamente. As peças
produzidas são testadas no Laboratório de Metrologia e se a amostra apresentar
defeitos, todo o lote é rejeitado e a máquina que as produziu passa por
reajustes. 
No
Laboratório de Testes de Motores 100% dos equipamentos fabricados são testados.
São 32 bancos de prova onde se controlam parâmetros que podem afetar a
performance do motor, como temperatura do motor e de suas peças, características
do combustível, pressão do ar, temperatura do óleo lubrificante, entre outros
dados. Ainda são feitos testes de potência e consumo de combustível e as
eventuais falhas identificadas são corrigidas. 
Todo
o processo de verificação demora em média 50 minutos.Os motores aprovados passam
por uma segunda etapa de testes, ainda mais detalhada e essa verificação é
feita por amostragem.Seguindo a linha de produção é feita a instalação dos
acessórios, como ventuinha, radiador e o câmbio é acoplado. A partir daí o bloco
está pronto para ser instalado nos veículos Mercedes-Benz.
Linha
de produção de chassis de ônibus
A produção
de ônibus está centralizada no prédio 46. Ali são fabricados todos os modelos
de chassis com motores dianteiros ou traseiros, para ônibus urbanos ou
rodoviários, convencionais, articulados e micro-ônibus. A linha tem capacidade
para produzir 120 chassis por dia.
São
três plataformas para montagem da estrutura básica da parte de baixo do chassi.
Nessas seções os chassis são montados de cabeça para baixo para facilitar a
instalação dos eixos, molas, suspensão, tubulação, fiação elétrica, etc.
Tombamento do chassi
Ao
final dessas plataformas é feito o tombamento do chassi para que ele volte à
posição normal. Então o chassi segue para montagem da parte superior.
O
chassi recebe o conjunto motor, com radiador e outros equipamentos, e segue
para instalação dos demais componentes como rodas, pneus, painel, etc.
O
painel, antes de chegar a esse ponto, passa por um sistema automatizado que
testa todos os seus componentes: botões, velocímetros, relógios. Se aprovado
pela máquina, o painel recebe um selo de qualidade. Só então ele segue para ser
instalado no chassi. Todos os painéis são testados.
Ao
final da linha de produção os ve-ículos são estacionados e passam por uma
inspeção visual minuciosa. Depois eles são conduzidos por motoristas da fábrica
para a área de teste de eficiência e potência. Em uma cabine computadorizada o
motorista acelera, troca as marchas como se estivesse andando numa estrada. O
veículo é acelerado gradualmente até a velocidade máxima de 120 km/h. Também é
testada a frenagem do veículo. Neste ensaio são verificados 100% dos veículos
produzidos na fábrica.
Modelo
de fábrica
A
fábrica da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo é reconhecida como destaque
quanto ao sistema de produção do Grupo DaimlerChrysler. Para entender um pouco
do que essa expertise significa na prática, alguns minutos de caminhada pela
fábrica são bastante ilustrativos. A produção é toda organizada. Cada peça produzida
logo é instalada no lugar certo. Os eixos e câmbio, por exemplo, só saem das
linhas de produção completamente acabados prontos para as etapas seguintes do
processo.
Motor finalizado
Estoque
não se vê: a ordem é produzir apenas o necessário, quando necessário, para
atender aos pedidos dos clientes. Cada linha de produção conta com o que os colaboradores
chamam de supermercado. Conforme as prateleiras vão sendo abastecidas os
colaboradores vão se servindo para atender a linha. Sistemas corporativos
monitoram a produção por meio dos pontos de tramitação, que são lugares fixos de
entrada e saída de linha, assim é possível acompanhar a fabricação de todas as
peças, agregados, veículos, controlando o status de cada veículo produzido.
Existe ainda um terceiro ponto de liberação que é depois do produto ser
testado. Esses são os detalhes mais visíveis do Sistema de Produção
DaimlerChrysler, processo que os colaboradores procuram aprimorar
constantemente.
Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.