Empresas extintas: Viação Aparecida – a primeira potência do transporte potiguar

Por Unibus – RN / Michael Pontes
Imagens Waldemar Pereira de Freitas Junior
/ Site Ônibus Brasileiro / Danilo do Monte

Eram os primórdios do começo da década de 60, tempos de Pau de Arara, terra batida, e estradas praticamente intransitáveis. Parelho a isso, um visionário chamado José Barbosa de Araújo, dono de uma pequena mercearia na cidade de Recife/PE, decidiu mudar de ramo e de vida, comprando três ônibus novos e vindo para Natal tentar comprar a linha Natal/São Paulo e Natal/Rio de Janeiro. A tentativa foi em vão. Então, veio o desespero: suas economias estavam indo embora, o obrigando a dormir nos próprios ônibus por ele comprados.

Eis que a mulher de seu José Barbosa fez uma promessa a Nossa Senhora Aparecida: caso conseguisse a concessão de uma linha rodoviária, colocaria o nome da empresa de Viação Nossa Senhora Aparecida. E, em Agosto de 1964, o então DNER fez a tão sonhada concessão. Em 20 de Agosto de 1964 nasce a que viria ser a primeira grande empresa de transporte do Rio Grande do Norte: Viação Nossa Senhora Aparecida.As primeiras linhas da Aparecida foram exatamente as tão sonhadas por seu José Barbosa: Natal/Rio de Janeiro e Natal/São Paulo. E era só o começo do crescimento.

Ainda faltava acrescer linhas intermunicipais a empresa, e no ano de 1965 a Aparecida consegue autorização para poder atender ao povo sertanejo do interior Potiguar: as regiões Trairi, Seridó e Oeste começaram a contar com seus serviços. Suas principais linhas intermunicipais na época eram Natal/Santa Cruz, Natal/Currais Novos, Natal/Caicó e Natal/Mossoró.

O Branco e Azul da empresa Potiguar começou a cortar as estradas Brasil a fora. A Aparecida era  sinônimo de conforto, bom atendimento e ônibus novos, fazendo com que o próprio DNER concedesse, em 1974, a empresa a sua primeira linha totalmente fora do território Potiguar: Caruaru (PE)/São Paulo.

Em 1975, a Aparecida chega ao seu ápice: conta com 96 ônibus, alguns deles com configuração leito, serviço de bordo e musica ambiente, serviços raros na época. Dentre os modelos de ônibus da empresa, destacavam-se os Monoblocos O-352 e vários ônibus do modelo Ciferal Líder. Nesta época a empresa também contava com 380 funcionários, além de 22 estações de Rádio Transmissão (Estações que serviam como elo de comunicação entre os ônibus em trânsito, e a sede da empresa ou agências nas cidades polo). Nasceram também a Aparecida Turismo e a Só Pneus, empresas pertencentes ao grupo.

No começo da década de 80 começa a derrocada. Seu José não está mais tão a frente do negócio e as coisas começam a desandar.

Linhas são vendidas e as empresas do grupo começam a operar no vermelho. A Azul e Branco tem seu fim: Suas linhas ligando as cidades da região Trairi e Seridó são vendidas para a Viação Jardinense, as do Oeste para a Viação Nordeste, e as linhas interestaduais são compradas pela Cia. São Geraldo de Viação. A Aparecida Turismo também fecha, e só sobra a Só Pneus, com lojas em Santa Cruz e Currais Novos – lojas essas que também fechariam no final dos anos 90. Encerra-se a trajetória histórica da primeira grande potência do transporte Norte-Riograndense: a saudosa Nossa Senhora Aparecida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
A nova linha Marcopolo G8 Paradiso DD Rota Transportes com soluções Marcopolo BioSafe Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 06/2021 O novo Apache Vip Os raros El Buss da Gontijo Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa