O último Citmax a sair de circulação em Natal

Por UNIBUS RN
Imagens Diego Almeida Araújo / Andreivny Ferreira (UNIBUS RN), Thiago Martins (UNIBUS RN), Helckton Fernandes (Ônibus Brasil)Edivan Leal (Ônibus Brasil) e Otávio Adalgiso (Ônibus Brasil)


A coluna Especial UNIBUS RN está de volta! E, nessa edição, falamos de um ônibus único na frota da empresa Conceição, que foi recém desativado. Um ônibus pioneiro, que serviu por vários anos aos moradores e usuários das linhas de ônibus de Felipe Camarão, Guarapes e Cidade Nova que já foram atendidos pelo nosso personagem. Falaremos hoje do único Ciferal Citmax que operou na empresa Conceição.

O Citmax foi um modelo lançado em 2003, pela fabricante fluminense Ciferal. Já controlada pela Marcopolo, a montadora lançou esse, que seria seu último modelo com essa histórica marca, para ser uma opção de qualidade, robustez e baixo custo para as empresas de ônibus operadoras de linhas urbanas. Apesar de ter sido projetado para ter apenas motorização dianteira, há diversas versões com os mais variados chassis espalhados por todo o país. Foi descontinuado em 2008, quando a marca Ciferal foi extinta e o parque fabril passou a usar a nomenclatura da Marcopolo.

A casadinha do Citmax que foi predominante no Rio Grande do Norte foi a que trazia o chassi OF-1722M, da Mercedes-Benz. Todos os veículos que eram montados nesse modelo da Ciferal trouxeram o chassi e motorização da marca alemã. Foram predominantemente adquiridos entre os anos de 2005 e 2006. E a empresa pioneira na aquisição do Citmax foi a Nossa Senhora da Conceição.

Em meados do segundo trimestre de 2005, chegava a Natal um lote com um ônibus apenas. Com o prefixo 4026, o veículo era, naquele momento, o maior (em termos de comprimento) da frota da empresa. Vindo na configuração alongada, o veículo tinha 48 poltronas acolchoadas, itinerário frontal âmbar digital da FRT, letreiros de lona auxiliares na parte frontal e na lateral, próximo a porta de embarque.

O pioneirismo do nosso personagem de hoje não parou por aí. Várias características fizeram do 4026 um personagem único na história da Conceição: Foi o primeiro ônibus zero km com o itinerário digital da FRT vindo de fábrica; Foi o primeiro ônibus da frota a ter os equipamentos adequados para a implantação da bilhetagem eletrônica, que estava em implantação na época de sua chegada; Foi o primeiro ônibus de grande porte a ter motorização eletrônica na frota da Conceição (Vale lembrar que a empresa teve um ônibus com chassi OF-1417 antes, que é classificado na categoria semi-pesado); Foi o primeiro ônibus de grande porte a possuir elementos de acessibilidade para deficientes (Seus corrimões internos eram de cor amarela, o que facilita a visualização por deficientes visuais, e já trouxe assentos preferenciais para deficientes).

Também foi o primeiro ônibus a ostentar uma modificação importante da segunda identidade visual da empresa. Explicamos: Entre 1999 e 2004, os ônibus passaram a ter uma saia azul e o nome Conceição em maior tamanho, na cor laranja. Em 2005, a empresa passou a usar na identidade visual o nome Nossa Senhora da Conceição junto a uma silhueta da imagem da santa católica que dá nome a empresa, sendo que o 4026 foi o primeiro veículo a ostentar essa alteração na identidade visual.

Nos primeiros anos, circulou na linha 63 – hoje, O-63 (Felipe Camarão / Mirassol – Via Av. Nevaldo Rocha). Em meados de 2011, com as renovações constantes na frota da Conceição, passou a aparecer com mais frequência em outras linhas da empresa, como a 83 (Felipe Camarão / Ponta Negra), 59 (Guarapes / Brasília Teimosa) e a extinta 31 (Felipe Camarão / Pirangi – Via Campus).

Em 2012, após a aquisição da Conceição por um conglomerado empresarial pernambucano, toda a frota passaria a ter uma nova metodologia para a numeração dos veículos: Sairia a sequência a partir de 02, em números pares, para a contagem geral em 3 dígitos, sem distinção de pares e ímpares, com o primeiro número de ordem classificando o ano de fabricação do veículo e os outros dois o prefixo do ônibus dentro do lote daquele ano específico. Com isso, o ônibus passou a ter o prefixo 525 (5 do ano de fabricação, 2005; 25 sendo o seu número de ordem dentro da listagem de ônibus fabricados em 2005 na frota da empresa).

Em 2013, com a exigência de os ônibus natalenses terem o primeiro dígito no prefixo dos veículos com o objetivo de identificar qual é a empresa daquele ônibus, a Conceição voltou a reprefixar os seus veículos para cumprir o exigido pela Prefeitura do Natal. Como o seu dígito identificador é o 4, todos os ônibus da empresa que tinham 3 dígitos no número de ordem passaram a ser acompanhados do prefixo 4. Com isso, nosso personagem passa a ter o número 4525.

Nos últimos anos em circulação, fez parte da frota reserva da Conceição, apoiando a operação de diversas linhas da empresa, sendo desativado em meados do início de 2021, após pouco mais de 15 anos em circulação. Apesar de não estar mais fazendo parte da frota, a história do único Citmax que a Conceição possuiu é bastante rica e importante, ajudando a empresa a se consolidar como uma das maiores e mais eficientes em operação em Natal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 08/2021 Senior da PB Rio Apache Vip V da Viação Pendotiba Apache Vip V da N.S. Penha Vissta Buss 360 da 1001 Torino da Turp Transporte Viação Águia Branca estreia o Marcopolo G8 Apache Vip V da Transportes Flores Apache Vip IV da Auto Viação Vera Cruz Viação Águia Branca recebe os primeiros Marcopolo G8 Apache Vip IV da Viação Araçatuba Novos chassis rodoviários Volvo para longas distâncias