O Amélia na Transnacional

Por Ônibus Paraibanos
Imagens
Acervo Ônibus Paraibanos

O Amélia I foi um dos maiores sucessos da encarroçadora CAIO no segmento urbano. Lançado em 1980, o modelo esteve presente praticamente em todas as empresas da capital paraibana e região metropolitana de João Pessoa. O Amélia I foi um dos modelos mais vendidos no seu nicho de mercado no período em que foi fabricado, entre 1980 e 1988.

O modelo marcou a história da Transnacional, ironicamente ela que desde a baixa de seu último, nunca mais comprou unidades da CAIO. Foi o primeiro grande carro-chefe da empresa logo que aqui se estabeleceu, sucedido por modelos da Marcopolo, de quem desde então passou a ser cliente cativa.

A primeira grande compra de Amélia por parte da Transnacional foi de unidades seminovas, oriundos da empresa carioca Viação Madureira Candelária, que chegaram em meados de 1989, quando o modelo já havia sido sucedido no ano anterior pelo Vitória. O que impede que sejam reconhecidos como carros ex-RJ é o fato do emplacamento de duas letras e quatro números; toda vez que um veículo trocava de dono, trocava a combinação das placas, diferente de hoje em que a combinação é preservada – seja no antigo sistema de três letras e quatro números, seja no sistema Mercosul.

Esses ônibus, todas encarroçados em chassis OF-1113 e OF-1313 da Mercedes-Benz, vieram para substituir veículos em mau estado da Canaã e da São Judas Tadeu. Eram visíveis em várias linhas da empresa, como 202, 301, 510 e 511.

Ainda vieram unidades do Caio Amélia oriundas da empresa Nossa Senhora das Neves, que receberam as numerações de 0707 à 0713 e possuíam o modelo de chassi OF-1313 da Mercedes-Benz. Os carros 0711 e 0713, retratados na matéria, foram alguns dos veículos herdados pela Transnacional da NSN.

O último se aposentou em 1994. Daí em diante, a Transnacional não adquirira mais nenhum modelo da CAIO. A maioria de suas compras passaram a ser de carrocerias da Marcopolo, mas recorrentemente adquiria poucas unidades de outras encarroçadoras, como Busscar, um único Neobus usado na década de 2010, e recentemente, unidades seminovas da Comil.

Essas unidades foram as primeiras a serem padronizadas no padrão de três listras da empresa, a época diferenciando de Campina Grande pela cor da saia, que era verde em vez de azul, um modo de reaproveitar de certo modo a última pintura da Nossa Senhora das Neves – primeira empresa que os Cândidos compraram para se estabelecerem na capital – , que tinha saia verde.

A empresa já empregava o modelo em Campina Grande. Inclusive o seu primeiro veículo zero era um Amélia, o qual até hoje é preservado pela empresa com a pintura da época e o padrão de prefixo 3203.

Como se fizesse parte da frota da empresa até hoje, o número de ordem 03 deste Amélia foi “aposentado” pela Transnacional campinense, nunca sendo usado por outros ônibus da empresa nem como 0703, nem como 3003.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Repasses de Busscar da UTIL para a Brisa Ideale 1440 da Paraíba Turismo Paradiso DD da Itabus Ideale da VIX Logística Paradiso DD da Fabbitur Paradiso DD da Martinele Transportes Ideale da Tursan Turismo Comil Svelto da Viper Transportes Cidades com Tarifa Zero O CAIO Amélia na Transnacional