Mercedes-Benz prevê crescimento de 13% no mercado de ônibus

Por Automotive Business
Imagens Divulgação

Durante a lançamento virtual do inédito chassi Super Padron O 500 R 1830, ocorrido na quarta-feira, 17, Walter Barbosa, diretor de vendas e marketing ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, confirmou a projeção da empresa com relação ao mercado brasileiro de ônibus, que foi um dos mais – se não o mais – impactados pela crise provocada pela pandemia de Covid-19.

O diretor da montadora também atualizou o cenário atual do mercado, que apresentou queda de 22% no primeiro bimestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2020 (“quando ainda não havia a pandemia”, fez questão de frisar). O setor contabilizou 2.143 unidades licenciadas neste ano, contra 2.752 exemplares no ano passado. Walter Barbosa chamou a atenção para outro fato: pela primeira vez na história, segundo ele, os modelos escolares representam o segmento de maior volume, com 852 unidades comercializadas, representando crescimento de 176% na comparação com os 309 modelos vendidos no primeiro bimestre de 2020. Esse bom desempenho deve continuar até o fim do ano, por conta do programa Caminho da Escola, do governo federal.

Outros segmentos que registraram impactos menores neste ano são o dos modelos destinados ao fretamento – com crescimento de 26% – e o de micro-ônibus, mesmo com queda de 15%. Vale explicar que entre os micros, estão incluídos modelos usados em fretamento, vendas governamentais (que não se enquadram no Caminho da Escola) e transporte executivo. Já os segmentos rodoviário e urbano, com retração de 67% e 64%, respectivamente, foram os que contabilizaram os piores resultados.

Walter Barbosa lembrou, durante sua apresentação, que o transporte urbano já vinha perdendo usuários há cerca de cinco anos por conta do surgimento de novos modais, como os carros compartilhados, serviços de aplicativos etc. Mas, com a pandemia, o setor perdeu cerca de 75% dos passageiros entre o fim de março e o início de abril do ano passado. “Muita coisa foi feita de lá pra cá, e hoje as empresas têm uma média de 50% a 55% dos passageiros que tinham antes da pandemia. Não existe perspectiva, a curto prazo, de o setor voltar a ter 100% dos usuários, e sim de ter entre 75% e 85% da demanda registrada antes da pandemia”, afirmou.

“A gente acredita que o maior crescimento deve surgir a partir do segundo semestre, quando esperamos que entre 40% e 50% da população tenha sido imunizada, e a partir daí, acho que podemos ter um crescimento de 13%, o que deve resultar em um mercado com 15 mil, 16 mil unidades. A Mercedes-Benz vai procurar conseguir ter pelo menos metade do mercado, que foi a nossa média nos últimos dez anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Os primeiros Jum Buss 360 da Gontijo Repasses de Busscar da UTIL para a Brisa Ideale 1440 da Paraíba Turismo Paradiso DD da Itabus Ideale da VIX Logística Paradiso DD da Fabbitur Paradiso DD da Martinele Transportes Ideale da Tursan Turismo Comil Svelto da Viper Transportes Cidades com Tarifa Zero