Recomeça Minas quer prorrogar isenção de ICMS no diesel para empresas de ônibus

Por O Tempo
Imagens
Rodrigo Gomes

Enquanto os tanqueiros negociam com o governo de Romeu Zema uma redução no ICMS do diesel de 15% para 12%, um projeto de lei assinado por todos os 77 deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais propõe prorrogar a isenção do ICMS do diesel comprado pelas empresas de ônibus. O prazo proposto é de até três meses após o fim do estado de calamidade pública causado pela pandemia.

A proposta de prorrogação da isenção está contida no projeto de lei 2.442/2021, conhecido como Plano Recomeça Minas, que foi protocolado na última sexta-feira (5). O projeto tem como objetivo incentivar a retomada econômica de Minas Gerais. 

De um lado, o texto traz descontos nas multas e juros para as empresas que pagarem suas dívidas tributárias, aumentando a arrecadação do Estado. Do outro, concede uma série de benefícios fiscais a setores atingidos pela pandemia, como bares, restaurantes, hotéis, escolas, academias e as empresas de ônibus.

Os tanqueiros chegaram a paralisar as atividades no dia 26 de fevereiro, mas concordaram em suspender a greve para negociar com o governo Zema. Eles pedem a redução do ICMS do diesel de 15% para 12%. A paralisação ocorreu na esteira do aumento dos preços dos combustíveis no Brasil. Desde o início do ano, a Petrobrás já reajustou o preço seis vezes, o que levou a uma alta no ano de 41,6% no preço do diesel e de 54% na gasolina.

Procurado para comentar sobre a prorrogação da isenção do ICMS do diesel para as empresas de ônibus enquanto negociam uma redução de 3% para a categoria, o Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo (Sindtanque-MG) preferiu não comentar.

Em junho de 2017 o governador Fernando Pimentel (PT) sancionou uma lei aprovada pelos deputados que criava o Plano de Regularização de Créditos Tributários. Assim como o Recomeça Minas propõe agora, a lei permitiu o parcelamento das dívidas tributárias e o desconto de multas e juros para as empresas que aderissem ao programa.

A lei também concedeu benefícios tributários, entre eles a redução da alíquota do ICMS na compra do diesel por empresas de ônibus que prestam serviço de transporte rodoviário público de passageiros.

Inicialmente, as empresas pagaram 4% de ICMS sobre o diesel entre janeiro e junho de 2018. A partir de agosto daquele ano, elas passaram a pagar 0% de ICMS na compra do combustível. 

A lei aprovada em junho de 2017 determinou que o benefício tributário tivesse duração de 48 meses. Dessa forma, o benefício acabaria em junho de 2021. Porém, o prazo  também pode ser contado de dezembro de 2017, quando uma segunda lei alterou a primeira. Assim, a redução tributária para as empresas de ônibus acabaria em dezembro de 2021.

O Recomeça Minas propõe que este prazo seja estendido para até três meses após o fim do estado de calamidade pública em Minas Gerais. Atualmente, o estado de calamidade pública vai até junho, mas pode ser prorrogado, como já foi feito anteriormente. 

A reportagem questionou o governo Zema sobre a partir de quando o prazo do incentivo tributário começa a contar (junho ou dezembro de 2017). Também foi perguntado se há a possibilidade do benefício tributário para as empresas de ônibus ser estendido para os tanqueiros. O governo estadual informou que não iria comentar o projeto de lei.

A ALMG também não quis comentar se há possibilidade do benefício fiscal ser estendido aos tanqueiros. O líder de governo, deputado Gustavo Valadares (PSDB), disse que, diante da situação financeira de Minas Gerais, abrir mão de receita do ICMS “é complicado porque vai aumentar o rombo do Estado”.

Ele lembrou que apesar disso o governo foi sensível à reivindicação dos tanqueiros e criou uma comissão para tratar do assunto com a categoria.

“Vamos esperar para ver uma solução. Acho que a Assembleia aumentar essa isenção dos ônibus para os tanqueiros, sem apontar outra receita alternativa para compensar a perda, pode ser um prejuízo muito grande. Então temos que ter um pouco de calma para não atrapalhar as já combalidas contas do Estado”, completou o deputado.

Já o deputado Sávio Souza Cruz (MDB) considera inevitável que a discussão sobre estender os benefícios tributários das empresas de ônibus aos tanqueiros. “Acho que essa discussão vai acontecer sim, mas é difícil prever o resultado”, disse.

A reportagem não conseguiu contato com os demais líderes partidários.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Os primeiros Jum Buss 360 da Gontijo Repasses de Busscar da UTIL para a Brisa Ideale 1440 da Paraíba Turismo Paradiso DD da Itabus Ideale da VIX Logística Paradiso DD da Fabbitur Paradiso DD da Martinele Transportes Ideale da Tursan Turismo Comil Svelto da Viper Transportes Cidades com Tarifa Zero