Ônibus Paraibanos

A dança dos prefixos dos ônibus de João Pessoa nos últimos 40 anos – Parte 1

Por Ônibus Paraibanos
Imagens Acervo Ônibus Paraibanos

Na última sexta-feira (6), finalmente conhecemos o prefixo que identifica a São Sebastião no sistema pessoense: 03. A empresa, criada a partir da cisão da Marcos da Silva, até então compartilhava o 09 que fora dela com a Aparecida, atual detentora da numeração. Mas de onde vem esse esquema? A gente te explica melhor e mostra a “dança dos números” ao longo desses 40 anos.

A princípio, seria só uma matéria, mas é tanta história que temos para contar que dividimos esta matéria em duas. A parte 2 vai ao ar no próximo sábado (14), e já nos antecipando aos pedidos dos leitores, estamos preparando um especial parecido com os prefixos das intermunicipais e de Campina Grande a ir ao ar nas próximas semanas.

Conheça agora algumas numerações das que conhecemos na história do transporte pessoense. Começamos hoje de 01 a 05, mas antes, não custa nada explicar um pouco da origem e da lógica do nosso padrão de identificação dos ônibus que circulam no sistema pessoense.

O esquema é velho, mas funciona

Ônibus 12 da Torrelândia; antigamente, as empresas usavam apenas números de ordem para identificarem os ônibus, sem identificação numérica da própria empresa.

O esquema de prefixos do sistema pessoense é da década de 1970, e já sobreviveu a várias concorrências e licitações. Antes de sua adoção, qualquer empresa identificava o seu ônibus como 01, 02, 03, 04, ou seja, as empresas só tinham número de ordem. Muitos nem conseguiam identificar a empresa pelo nome, e várias tinham ônibus 01, 02, 03, o que confundia o usuário da época. Para evitar qualquer confusão, ao longo das regras que foram impostas ao sistema na década de 1970, uma delas foi que a identificação das empresas também fosse numérica, ou seja, os veículos passariam a ter prefixos antes dos números de ordem.

A partir daí, os ônibus passaram em vez de dois, a ter quatro dígitos, sendo os dois primeiros identificando a empresa. Oriundo de uma época em que os ônibus eram numerados fixamente em zero um, zero dois, e por aí vai, as empresas também passaram a ser identificadas assim. A Etur, primeira a ter sua concessão registrada no sistema pessoense em 1970, utilizou a numeração 01xx para identificar seus ônibus, sendo 0101, 0102, 0103 e por aí vai.

Porém daí em diante e até pelo fato das empresas de João Pessoa nunca passarem de dez (atualmente são seis as empresas do sistema), os prefixos dançam ao longo dos anos; novas empresas reaproveitam os prefixos que foram de empresas que já saíram do sistema, caso da São Sebastião, que passou a ser identificada no sistema pessoense pelo prefixo 03, que já foi da Canaã na década de 1980, e da Boa Vista na década de 1990. Todas essas empresas são de donos distintos e foram constituídas de modo independente (a Canaã era ligada a Nelson Lira e Nivaldo Manoel; a Boa Vista, a Inaldo Camelo, e a São Sebastião pertence a Goretti Lopes).

Há casos de numerações que seguem o patrimônio da empresa após serem compradas por outras, caso da Transurb, que ao ser adquirida e se tornar São Jorge, manteve garagem, carros e a numeração 02, e a própria Transnacional, que herdou o prefixo 07 da Nossa Senhora das Neves, que por sua vez herdou a numeração da RB Transportes.

O esquema fixo de cinco dígitos, que é o atualmente empregado no sistema pessoense por todas as empresas, foi adotado inicialmente pela Setusa em 1989. Neste esquema, se uma empresa tiver um ônibus numerado abaixo de 99, este será 099. Assim a Setusa teve 05001, 05002 e por aí vai. Em 1994, a Boa Viagem, oriunda do que sobrou da Etur, adotou esse esquema e o prefixo 06, que foi aproveitado pela Santa Maria, sendo esta a referência para as numerações de hoje em todas as empresas.

No vai e vem das décadas de 1980 e 1990, algumas empresas foram reaproveitando as numerações, e é isso que vamos ver nesta e na próxima matéria. O sistema de códigos de duas letras e dois números que você vai ler entre parênteses é empregado para identificação e controle das empresas. Esse modelo de códigos também é oriundo dessa época e até hoje é empregado pela Semob-JP para identificar as empresas no sistema.

01-Etur (ET01)

A Etur, que operou entre 1970 e 1994, é até agora a única até aqui a ser identificada com o prefixo 01 na capital paraibana. Não para menos; a empresa foi a primeira a ter a sua concessão reconhecida pela Prefeitura de João Pessoa, história que você pode rever aqui. A Boa Viagem, que sucedeu a Etur quando esta deixou de operar em 1994, não herdou o prefixo; trocou para 06.

02-Transurb (TS02) e São Jorge (SJ02)

Criada a partir de uma cisão societária da Etur, a Transurb (Transporte Urbano LTDA) surgiu operando as linhas do Extremo Oeste de João Pessoa, utilizando o prefixo 02. Foi em sua garagem às margens da BR-101 próximo às Três Lagoas que nasceu, em 1993, a Associação das Empresas de Transporte Coletivo de João Pessoa, a AETC-JP, atual Sintur-JP.

Em 1996, a Transurb troca de controle acionário e passa a se chamar Viação São Jorge, mantendo seus ônibus, suas linhas, sua garagem, e o prefixo 02, sendo atualmente do Grupo A.Cândido. Em 2002, agrega as linhas do Valentina que eram da Boa Vista, bem como o Terminal de Integração de Passageiros que esta construiu na entrada do bairro.

A unidade de fretamento da empresa também usa a prefixação 02, distinta da municipal e prolongada.

03- Canaã (CA03), Boa Vista (BV03) e São Sebastião (SS03)

A primeira a usar o código 03 foi a Empresa Canaã, criada na década de 1970, que operava as atuais linhas 202, do Geisel (além da própria Ceasa, hoje com seu itinerário-base agregado ao 202) e 204, do Cristo. A empresa foi vendida no final da década de 1980 para a São Judas Tadeu, que não ficou com as linhas por muito tempo; foi vendida para a Transnacional, com ônibus, linhas e tudo.

A Empresa Viação Boa Vista entrou no sistema pessoense em 1991 e nela passa a empregar o prefixo 03, mas de uma maneira até hoje nunca imitada; a empresa adotou a numeração fixa de cinco dígitos, porém o terceiro dígito era sempre 3, o quarto o número de ordem, e o quinto o último dígito do ano de fabricação do veículo. A parte urbana da empresa foi vendida em 2002 para a São Jorge.

Desde 6 de novembro de 2020, a Viação São Sebastião se tornou a terceira empresa a usar a numeração 03, A empresa é uma das duas criadas a partir da cisão da Marcos da Silva – a outra é a Nossa Senhora de Aparecida, que manteve o 09 dela.

04-Mandacaruense (EM04)

Nos seus 50 anos de existência (de 1969 a 2019), a Empresa de Transportes Mandacaruense foi a primeira e única empresa a utilizar o prefixo 04, acompanhando a mudança de dinâmica no Consórcio Navegantes.

05-Setusa (SE05)

A estatal que ficou na memória dos pessoenses foi a “inventora” do atual modelo de numeração do sistema da capital paraibana. Utilizando a numeração 05, previu chegar em cem ônibus, o que não conseguiu nos oito anos que operou (1989 a 1996). Se um dia isso acontecesse, ela não queria bagunçar sua numeração; fixou a numeração em cinco dígitos mesmo tendo só 49 ônibus na frota. Desse modo, o terceiro dígito sempre foi zero. A Boa Viagem copiou o modelo, a Santa Maria herdou, e o restante do sistema adotou.

Semana que vem, você confere a segunda parte desta série da dança dos prefixos das empresas de João Pessoa, com as numerações 06, 07, 08 e 09.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.