Passageiros e rodoviários aprovam novo ônibus elétrico de Salvador

Veículo possui anatomia mais confortável

Por Correio
Imagens

O novo ônibus elétrico, que começou a circular em Salvador na manhã desta terça (16), deixou uma boa primeira impressão para passageiros e rodoviários. Equipado com ar-condicionado e com um sistema diferente dos coletivos tradicionais, ele foi bastante elogiado pelo conforto que oferece.

Durante os 30 dias de testes, o veículo irá operar em quatros linhas da cidade: Estação Pirajá/Ribeira, Pirajá/Barra, Pirajá/Pituba e Paripe/Aeroporto, uma por semana.

De folga do trabalho, a gestora de Recursos Humanos Danusa França, 41 anos, mora em Campinas de Pirajá e aproveitou a terça-feira para fazer algumas compras no bairro da Calçada. O que ela não esperava era que aproveitaria a viagem até a Cidade Baixa no conforto do novo ônibus, que é equipado com ar-condicionado.

Ela disse ainda que pretende ficar atenta aos horários de saída do veículo para, sempre que puder, viajar no novo ônibus. “A viagem é muito tranquila, é de uma suavidade incrível. O ar-condicionado é perfeito, muito bom mesmo. Percebi que esse é mais largo, mais espaçoso. Gostei muito, sempre que tiver a oportunidade vou dar a preferência de pegar ele”, disse.

Também aproveitando a viagem, a moradora do São Caetano, Valdeci de Lima, 49, estava indo levar seu marido para uma consulta médica na Rua Carlos Gomes. Ela contou que, quando viu o novo ônibus parar no ponto, não pensou duas vezes e entrou para conferir a novidade.

“Está tudo diferente, a viagem é bem mais tranquila, nem dá para sentir calor ou abafamento. Eu nem sabia que teria essa novidade hoje, foi uma surpresa, eu adorei a viagem, foi muito bom”, contou.

Manuseio

Não foram só os passageiros que gostaram da novidade. Os rodoviários também ficaram bastante animados com o buzu elétrico. Responsável pelo manuseio do equipamento, o instrutor de motoristas da Integra Plataforma, Antonieudes Câmara, 53, contou que em 35 anos atuando na profissão, essa é a melhor experiência que já viveu como motorista.


Cobrador há 15 anos, o cobrador Reginaldo Barbosa, 56, disse que, se pudesse escolher, não hesitaria em optar por trabalhar no ônibus elétrico. “Os passageiros ganharam um presentão. Principalmente destacando que é um veículo não-poluente, a viagem é super confortável, sem ruídos. Se fosse para escolher, não menosprezando os outros ônibus, eu daria preferência em trabalhar nesse daqui”, brincou.

Primeira viagem

O primeiro ônibus 100% elétricos da empresa chinesa BYD, em parceria com o consórcio Integra Plataforma, rodou nest aterça pela manhã. A linha escolhida para daro pontapé inicial na nova tecnologia foi a 1505, que sai do fim de linha de Pirajá com destino à Barra. No trajeto, o novo veículo passou pelos bairros de Campinas de Pirajá, São Caetano, Largo do Tanque, Calçada, Comércio e Campo Grande pegando passageiros nos pontos de ônibus. Durante o percurso, a tarifa não foi cobrada, pelo menos nesta primeira viagem. Nos próximos 30 dias de testes, a tarifa de R$ 4 será cobrada normalmente, assim como acontece com os ônibus convencionais.

De acordo com a Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), o objetivo neste mês é checar a adequação do veículo às condições do dia a dia do transporte coletivo e as características geográficas da cidade.

O secretário da pasta, Fábio Mota, destacou a importância e os benefícios do novo modelo de transporte para os usuários e também para o meio ambiente. Ele disse ainda que, caso os ônibus elétricos sejam aprovados, circularão apenas nos trilhos destinados ao sistema BRT (Bus Rapid Transit), por causa da sua estrutura física. O equipamento, que custa cerca de R$ 1,4 milhão, é cerca de quatro vezes mais caro que um ônibus convencional, que são comercializados por R$ 400 mil.

“Estamos testando as questões da autonomia, motorização, acessibilidade e logística do carregamento, assim como a funcionalidade do veículo. O ônibus elétrico é uma tecnologia limpa. É evidente que, entre esse ônibus e o normal, o elétrico leva todas essas vantagens por ser um aliado do meio ambiente. Se for aprovado nos testes, irá agregar muito no nosso pensamento de que o sistema BRT seja operado por esse tipo de veículo. A conta para a utilização desses veículos nas frotas convencionais vai depender dos testes e a avaliação das concessionárias nesses 30 dias”, disse.

O protótipo elétrico possui capacidade para 51 passageiros em pé e 26 sentados. Como não utiliza combustíveis, o veículo não emite qualquer tipo de poluição. O equipamento possui dois motores, sendo um em cada roda, tem freio ABS, potência de 400cv e consegue rodar 250km com a bateria completa, que leva até 4 horas para ser recarregada.

De acordo com o gerente de manutenção do Consórcio Integra Plataforma, Marcos Matos, outra vantagem do transporte elétrico é o maior conforto ao passageiro.

“A emissão de poluentes é zero. É um veículo com suspensão pneumática, que oferece um maior conforto ao passageiro. Isso é uma grande diferença para os ônibus comuns que circulam na cidade, que são de molas. Fizemos teste com o ônibus vazio antes. Hoje, resolvemos testar com passageiros e a experiência está sendo satisfatória. Precisamos identificar em quais linhas os ônibus se adaptam melhor, por conta da realização de manobras, onde o veículo ainda possui alguma dificuldade”, explicou.

Já o representante da empresa chinesa BYD, o gerente de pós-venda André Perandin, disse que a fabricação do ônibus está desde 2014 passando por um processo de nacionalização.

“Estamos fazendo com que o chassi seja produzido aqui no Brasil. Juntamos à tecnologia chinesa e completamos a nacionalização com a carroceria, que é a mesma da maioria dos outros ônibus nacionais. Fizemos apenas a adaptação dessa tecnologia às condições brasileiras. Mesmo Salvador sendo uma cidade de muito sobe e desce, muitos desníveis e ladeiras, notamos que o ônibus apresentou bons resultados nos testes de hoje. Tudo isso está de acordo com toda a modernização que Salvador está passando”, analisou.

Sustentabilidade

Durante o teste será avaliado o sistema de regeneração do ônibus. Quando acionado o freio, será possível recarregar as baterias em movimento, o que foi pensado para aumentar a durabilidade da carga durante as viagens.

Inicialmente, a autonomia da bateria é de 250 km com a carga máxima. O protótipo terá seu comportamento no dia a dia da cidade avaliado. A expectativa é que, se o teste for positivo, o veículo integre a frota que será utilizada no BRT.

O sistema de carregamento da bateria é feito em uma central de abastecimento, que pode ser instalada na garagem dos veículos. O ônibus é conectado em uma tomada até concluir o processo.

Sustentável, o ônibus possui, dentre as características, a presença de 100% de suspensão pneumática, que justifica a sensação de conforto narrada pelos passageiros. Ele possui um sistema de ajoelhamento, que é a compreensão de um piso baixo e a ausência de degraus.

Com acionamento de um botão, o veículo é inclinado para o lado direito, onde uma prancha é deslizada para facilitar o acesso dos cadeirantes e pessoas com deficiência com tranquilidade e segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.