Uma nova etapa na história da linha 601-Bessa

Por Ônibus Paraibanos – Josivandro Avelar
Imagens Fábio Gonçalves

img-20180505-wa0138814247496.jpg

Desde o último dia 1º de maio, a linha 601-Bessa passou a ser operada pela Reunidas, após 22 anos de operação na Transnacional. Porém, a linha iniciou suas atividades em 21 de janeiro de 1989.

E como toda história, vamos relembrar como tudo começou, afinal, nada como história para entender o que acontece nos dias de hoje.

img-20180505-wa0146295308224.jpg

Antecedentes

Antes disso, o Bessa era um bairro praticamente isolado do resto da cidade. Chegar até lá era possível com um “arremedo” de linha, digamos, “integracional” criado pela então Viação São Judas Tadeu, que partia do Bessa até o Hotel Manaíra, terminal na época das linhas 510 e 511, de Tambaú. Quem quisesse ir para o Centro, descia desse carro e pegava uma das duas linhas. E ainda tinha que pagar outra passagem para realizar tal integração, possibilitando a surreal situação de desembolsar 3 passagens se quisesse ir a um ponto mais distante da cidade. Isso até a criação da 513, anos depois.

21 de janeiro de 1989: o começo da 601

A primeira linha do Bessa, como dito, iniciou suas operações em 21 de janeiro de 1989. Era uma das linhas do segundo pacote da Setusa. No mesmo dia, começaram a circular também as linhas 1001, 2300 e 3200. Além disso, fazia também parte do pacote o segundo lote de ônibus da estatal, os famosos monoblocos O-365.

A linha 601 inaugurou o corredor da Tancredo Neves, porém não como é conhecido até hoje. Seu primeiro itinerário era feito via Roger, num trajeto que hoje é executado pela linha 604-Bairro dos Ipês/Ayrton Senna, da Mandacaruense. Isso porque na época a linha 601 absorveu a 002-Roger, que só fora reativada 3 anos depois da criação da 601.

Esta foi a primeira linha a passar em frente do recém-inaugurado Manaíra Shopping. Antes de atender os hoje clientes e funcionários, atendia os operários que trabalharam na construção do empreendimento.

Nos últimos momentos da Setusa, era comum encontrar até CAIO Vitória e Thamco Águia na linha. O primeiro, de numeração 05018, se envolveu num acidente na descida do Viaduto Terceirão, possivelmente provocado por deficiência de manutenção. Tal fato, em abril de 1996, foi a maneira melancólica com a qual a Setusa, já em francas dificuldades financeiras, se despediu da 601.

6 de maio de 1996: a transferência para a TN

Exatamente neste domingo, fará 22 anos exatos que a Transnacional assumiu a linha 601. A linha, junto com as circulares 1500 e 5100, e a 002-Roger, foram arrematadas no leilão de terceirização da Setusa dias antes.

À essa altura, a recriação da linha 002-Roger ainda na época da Setusa promoveu a primeira alteração no itinerário da 601, transferindo a linha do Roger para o Tambiá, passando na Av. Des. Boto de Menezes.

100_2809

Com uma frota composta por vários Torinos GV e passagens de modelos marcantes como Urbanus, todos de chassi Mercedes-Benz OF-1620, a 601 começava a ganhar a cara da Transnacional. Em 1998 veio a primeira troca de frota, com os Torinos GV OF-1721 altos se destacando nesta renovação, com especial destaque para as numerações 07187 e 07188.

Em 2001 entram os primeiros Marcopolo Viale, também sobre chassis Mercedes-Benz OF-1721. Inicialmente entram na linha carros como 07111, 07112, 07113 e 07133. Depois, entram os carros 0728 e 0733, estes com freezer da Coca-Cola ao lado do cobrador. O carro 0728 foi incendiado em 2001, num protesto de moradores de uma comunidade próxima da Boto de Menezes (atual Riachinho) em revolta pelo atropelamento de uma criança por um ônibus da linha.

No ano 2000, a linha entra no Sistema Opcional, operada por microônibus que fariam um itinerário distinto do convencional, passando nos condomínios Lucy e Val Paraíso. Desmembrada em 2008, daria origem a atual linha 600-Val Paraíso, da Reunidas.

Em 2004, novo lote de Viales OF-1721. Destaque especial para 0753 e 07126 entre os componentes notáveis.

Em 2005, entra na linha o carro 0757, primeiro OF-1722 da linha, também um Marcopolo Viale.

Em 2007, entra o primeiro trucado; o carro 0710, também Viale, também OF-1722. Em 2008 mais dois trucados nas mesmas configurações se juntam à linha 601; os carros 07165 e 07199. O carro 0747, Viale toco de 2008, é herdado pela linha; era fixo da linha 513-Tambaú/Bessa, que havia sido assumida pela Reunidas.

2009 marca a entrada do primeiro ônibus com elevador para cadeirantes, bem como o primeiro Torino 07, o carro 07195 (ainda operante, hoje no 204-Cristo), posteriormente trocado pelo 07125 (este último estava no 303-Mangabeira – atual 07183, operante no 3203-Mangabeira).

Em 2012 entra mais um Torino 07; o carro 0709, ex-Transportes Santo Antônio (ainda operante, hoje reserva). Bem como é incorporado à linha um dos dois primeiros OF-1721 Bluetec5 da Transnacional, o carro 0724 (ainda operante, hoje no 5209-Cidade Verde). O outro era o 0713, que na época estreou no 5206-Mangabeira (hoje está na 2509-Cidade Verde).

No ano de 2013 recebe mais dois OF-1721 Bluetec5, as unidades 0782 e 0796, também da carroceria Torino 07. Em 2014, mais uma substituição e a entrada do primeiro Torino 14: o carro 0796 (hoje na linha 517-Castelo Branco). Entra na linha o carro 07149, remanejado da linha 5206-Mangabeira.

Entre 2015 e 2016 a linha passou a receber remanejamentos. Em 2018 recebeu a última frota na Transnacional: dos Torinos de 2013, o carro 07149 permaneceu na linha, recebendo o 0748 (remanejado da linha 301). Recebe ainda cinco Torinos de 2016 remanejados das linhas 1500 e 5100: 07112, 07131, 07163 e 07166.

1º de maio de 2018: a transferência para a Reunidas

A partir de 1º de maio de 2018, a linha é assumida pela Reunidas, que tira a Transnacional do corredor 6. A Reunidas passa a contar com as linhas 600, 601 e 603, do Bessa, sendo a única operadora da Unitrans no corredor. As linhas 602 e 604 representam o Consórcio Navegantes no mesmo, estas operadas pela Mandacaruense.

A última frota da linha 601 na Transnacional é a primeira na Reunidas, tendo os carros sido reprefixados de 08111 à 08117, sendo suas numerações definidas em ordem crescente às antigas numerações dos veículos na Transnacional, estas agora abertas (os chamados “buracos” de numeração) para novas unidades.

img-20180505-wa0145990069313.jpg

Com a transferência, a Reunidas assume a totalidade da operação no Terminal de Integração do Bessa, bem como o domínio da área. O Terminal de Integração do Bessa é o ponto final, além da linha 601, das linhas 513, 603, 5103 e 5104, todas elas da Reunidas, que também tem o domínio da limítrofe Cabedelo, conferindo a consolidação de uma importante área à empresa, num movimento semelhante ao feito pela co-irmã Santa Maria, que está quase assumindo a totalidade da operação em Gramame, área essa limítrofe ao Conde, cidade em que opera linhas intermunicipais. No que só falta a linha 101-Grotão, ainda da Reunidas, para conquistar de vez a totalidade da área.

3 Replies to “Uma nova etapa na história da linha 601-Bessa”

  1. Leonardo Lins disse:

    Amigo, se não me engano, quando falastes da entrada do 07149 em 2014, foi citado que ele era da 5206. Eu lembro de ter visto ele uma vez na linha, mas acho que ele era fixo na 511. Se estiver errado, por favor, corrija-me.

    • De fato sim; ele começou na linha 511-Tambaú/Manaíra Shopping em 2013, porém menos de um ano depois, foi remanejado para a linha 5206-Mangabeira/Epitácio-Cristo. Daí foi para a linha 601-Bessa.

    • ertae4t disse:

      Só uma ressalva. A linha 601 foi a primeira a operar no recém-construído Manaíra Shopping que foi inaugurado em 11 de novembro de 1989 quando o 601-Bessa/Shopping ganhou uma plaquinha ‘Shopping Center’ e isso leva o 1001 que até então retornava pela Tancredo Neves passou a rodar pelo estabelecimento, tornando-se o atual 1001 – Bairro das Indústrias via Manaíra Shopping

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.