Sinais de melhoras na economia geram reflexos na Comil

De JBV online
Por Egídio Lazzarotto
Imagens Divulgação Comil / JC Barboza

Na semana que passou, meu passarinho trouxe uma boa informação envolvendo a Comil, que após ter entrado com a recuperação judicial vinha enfrentando muitas dificuldades com relação ao mercado brasileiro de ônibus. Apesar da situação ainda não ser das melhores, parece que começa a respirar sem aparelhos e em breve pode sair da UTI.

A empresa teve um início de ano não muito bom, com sua produção praticamente parada e poucas perspectivas. A partir de fevereiro os pedidos começaram voltar e sua produção passou a ser de três a quatro ônibus por dia, ou seja, está com sua produção ao máximo, levando em conta a equipe de profissionais que dispõe neste momento. Porém, neste mês de abril deverá cair um pouco a produção, por causa dos feriados.

A empresa vem sofrendo ainda com a falta de fluxo de caixa e vale lembrar que possui um crédito junto ao Ministério da Justiça num valor que ultrapassa R$ 44 milhões, referentes à entrega de vários ônibus para o Projeto Crack. Com este aporte financeiro poderia ampliar a sua produção, apesar da crise econômica.

No entanto a Comil, com os contratos que já tem em sua carteira de pedidos, tem trabalho garantido até o final de junho. Neste momento já está na sua linha de produção 70 ônibus urbanos para uma empresa de Recife, além de outros pedidos menores, que são para o transporte urbano no mercado brasileiro e alguns para o mercado externo. Para os veículos rodoviários a empresa já tem garantido dois contratos, também para o exterior. São 15 ônibus, Invicto DD, para o Peru, e 10 para a Bolívia, além de outros pedidos menores para o mercado brasileiro e do Mercosul.

Durante esta semana conversei com vários especialistas em ônibus e também com trabalhadores da Comil, e me garantiram que nunca tiveram uma qualidade dos seus veículos como a de agora. Segundo um empresário, que tem vários veículos de turismo, nenhum da Comil, no momento os ônibus rodoviários Invictus DD são os melhores do mercado brasileiro. Segundo este empresário não é apenas estrutura e design dos ônibus que são ótimas, mas o acabamento interno possui o que tem de melhor no mercado.

Com esta ligeira melhora e após centenas de trabalhadores serem demitidos da Comil nos últimos dois anos e outros ameaçados de perder o trabalho, e por muito pouco a empresa não ter fechado a suas portas definitivamente, começa surgir uma luz no final do túnel com relação aos empregos. Na semana que passou recebi informação de que a Comil iria começar a contratar trabalhadores novamente.

Prontamente liguei para saber sobre a veracidade do fato e ninguém quis falar sobre o assunto, mas, segundo meu passarinho, após os feriados a empresa vai contratar 17 novos trabalhadores. Porém, com relação a geração de mais empregos, tudo depende do mercado e de futuras ações trabalhistas que possam surgir. Com certeza a situação da Comil ainda é de muita dificuldade, mas com boas perspectivas para o futuro e principalmente se o governo federal pagar o que deve.

1 comentário em “Sinais de melhoras na economia geram reflexos na Comil”

  1. Que bom que as coisas estão melhorando pro lado da comil.
    Acho uma pena aqui em JP termos poucos ônibus dessa encarroçadora, assim como da Neobus também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança