Por que a mulher tem menor remuneração que o homem?

De Mais PB
Por Mário Tourinho
Imagem Luiz Carlos

SR Mulher

No recente 8 de março, Dia Internacional da Mulher, ocorreram muitas e merecidas homenagens a todas as que compõem o chamado “sexo frágil” que, como diz Erasmo Carlos, esse “sexo frágil” é “uma mentira absurda”.

De minha parte, neste Portalescrevi “Só um dia o Dia da Mulher?”para destacar o quanto as mulheres devem ser homenageadas todos os dias, principalmente pelo dom da maternidade que Deus a elas conferiu.

Nas diversas reportagens publicadas sobre este “Dia Internacional da Mulher”,  muito me chamaram a atenção as denúncias e pesquisas indicativas de que as mulheres são  discriminadas com muita intensidade no aspecto salarial, ou seja, teriam remuneração bem menor que a dos homens. E aí fico curioso em obter detalhes a respeito, pelo que questiono: onde e por que?!…

É estranho, muito estranho mesmo que as pesquisas concluam por esse tratamento profissional (tão) desigual entre homens e mulheres. E pesquisei, sem conclusão satisfatória, onde ou em que setores haveria a constatação dessa discriminação salarial.

Neste recente 8 de março, entre as reportagens sobre o “Dia Internacional da Mulher” uma mostrou o dia a dia profissional de uma dessas mulheres, no caso uma motorista de ônibus do transporte coletivo urbano, daqui de João Pessoa. Logo me perguntei: ela tem remuneração menor que a dos motoristas homens?!… E a resposta – que eu já sabia – é não! Ela (a motorista) ganha igual a ele (o motorista). E continuando no âmbito do transporte coletivo urbano,posso e devo informar que a cobradora (mulher) ganha igual ao cobrador (homem).

Ao que sei, a presidente da República ganha igual ao presidente da República. A senadora ganha igual ao senador. O deputado federal ganha igual ao deputado federal. A deputada estadual ganha igual ao deputado estadual. A vereadora ganha igual ao vereador. A magistrada ganha igual ao magistrado. A promotora de justiça ganha igual ao promotor de justiça. A professora (da rede pública ou da rede particular) ganha igual que o professor. A médica ganha igual ao médico. A engenheira ganha igual ao engenheiro… e podería mencionar outras categorias profissionais, inclusive o de agente de limpeza. Por exemplo, da Emlur-JP.  Afinal, onde ou em que setor dá-se essa discriminação salarial?

Já concluindo estes escritos, a mim se dirigiu a secretária Kátia Cilene com uma matéria com o título “Estudo derruba o mito de que as mulheres brasileiras ganham 30% menos que os homens”. É um  estudo da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul. Dele vou me inteirar… e, claro, oportunamente comentar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança