Sem investimento não há futuro

De Revista AutoBus
Imagem Jorge dos Santos

img_8584

Meus quilômetros já percorridos com o tema ônibus me fez escrever estas poucas linhas. Com o interesse pelo assunto, tenho acompanhado pelo mundo inteiro novos desenvolvimentos em se tratando de produtos, materiais utilizados, além de trações e combustíveis alternativos. O avanço proporcionado é o que me surpreende, pois em cada local do cenário global há uma nova perspectiva quanto a prática de um transporte sustentável.Veja que nos Estados Unidos ocorre uma verdadeira corrida para apresentar veículos mais modernos e compatíveis com o meio ambiente e que ofereçam maior conforto ao principal agente dessa cadeia, o passageiro. Afinal, quem paga a passagem é ele. Não podemos esquecer que há ainda os subsídios governamentais, que proporcionam uma melhor inteiração com o transporte público. Mesmo assim, naquele país a cultura do automóvel é grande, o que me faz pensar que não haveria interesse em procurar novos métodos para que o transporte público, principalmente o de pneus, avance. Pelo contrário há. Lá os governos locais estão preocupadíssimos com o que pode acontecer se não houver alguma alternativa real e otimizada para o setor. Vejo que esforços não faltam.

Também na Europa o pensamento dominante para o que pode acontecer no futuro próximo em relação ao nosso meio ambiente coloca em primazia toda a sociedade na busca por alternativas e soluções ideais. Fabricantes e montadoras, além de órgãos governamentais cada vez mais exigentes, trabalham juntos para que haja resultados positivos dentro de curtos e médios espaços de tempo.

E por aqui, o quanto avançamos? Essa é uma pergunta que sempre faço e encontro como resposta a falta de interesse, o momento econômico e a ausência de Estado e da sociedade em não lutar para que esse conceito mude. Muitos falam que não há dinheiro para investimentos sociais e tecnológicos. Outros argumentam que o principal foco ainda é o petróleo e seus subprodutos. Não vejo estratégias, nem políticas que fomentem o desenvolvimento sustentável. Somos considerados a “terra dos ônibus”, mas não possuímos um programa exemplar para soluções ecologicamente corretas em termos de combustíveis e trações. Uma verdadeira crise em aproveitar ideias originais e exemplos com múltiplos benefícios. Muito menos encontro bases para investimentos em um transporte eficaz, que tenha uma rede coordenada onde todos os modais se completem. Vejo sim, dinheiro escorrendo pelas mãos e pelos “ladrões”* de nossa sociedade, cada dia mais passível ao mal que suporta.

* Deixe me explicar antes que alguém se sinta ofendido e queira me processar. Ladrões – aberturas, canos ou calhas por onde se escoam automaticamente a água de um reservatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança