Óbvio: a crise também atinge o transporte coletivo (II)

Fonte: Mais PB
Texto: Mário Tourinho
Foto: JC Barboza

IMG_0884.JPG

Nesta semana, que hoje termina, o noticiário local enfatizou que a crise econômica não só também chegara aqui na Paraíba, mas sobretudo estava bem demonstrada através dos quase 300 estabelecimentos comerciais que já haviam “fechado suas portas”, recentemente.

Será que um fato – fato real – como esse noticiado e aqui referido não repercute também, negativamente – óbvio, no setor de transporte coletivo?!

Tomando-se, por exemplo, que cada estabelecimento comercial pudesse empregar 20 pessoas, tem-se aí quase 6 mil desempregados. Diante deste fato, os respectivos estabelecimentos comerciais (por óbvio – repetimos) deixam de adquirir os vales-transporte para o deslocamento diário de seus funcionários (agora “ex”). E mesmo considerando que cada funcionário tivesse apenas dois vales-transporte por dia, corresponde, por mês, a 52 benefícios desse tipo que deixam de ser adquiridos, tendo em vista os 26 dias de efetivo trabalho (que não mais ocorrem). E 52 vales-transporte por funcionário em um contexto de 6 mil trabalhadores (agora “ex” – repita-se mais uma vez), correspondem a um total, por mês, de mais de 300 mil tarifas que não mais são utilizadas, provocando uma queda de receita – conforme o valor da tarifa de cada cidade – em torno de um milhão de reais.

O pior de situações assim, significando queda de receita (ou queda no quantitativo de passageiros) no setor de transporte coletivo, é que raramente se aceita a adequação do número de viagens dos ônibus a esse novo quadro da demanda.

Uma loja, que antes tivesse 40 funcionários e, em função da queda em suas vendas, reduz o respectivo quadro funcional para 20 trabalhadores, esse procedimento é encarado como normal ou como ajuste à nova situação. Uma adequação.

Entretanto, no setor de transporte coletivo em que determinada linha tenha uma redução de passageiros que lhe exigisse, para adequar-se ao equilíbrio econômico-financeiro, a redução da respectiva frota e consequentemente a diminuição no número de viagens ah, como procedimento assim é incompreendido!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança