Estudo medirá qualidade do transporte na RMR

Fonte:
Diário de Pernambuco
Matéria / Texto: Tânia Passos
Fotos: JC Barboza / Bernardo Dantas



No
momento em que se discute o aumento da tarifa de ônibus na Região Metropolitana
do Recife, há outro ponto, talvez o mais importante, que não pode ser
esquecido: a qualidade do serviço. Além da pesquisa de origem/destino, que será
licitada pelo Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano para nortear
futuros investimentos, também será feito, a partir de março, um diagnóstico da
qualidade do sistema.

O Recife será a primeira capital brasileira contemplada com o estudo da
Corporação Andina de Fomento (CAF), uma ONG latino-americana que pesquisará
junto ao usuário os pontos positivos e negativos de toda a cadeia. Serão
analisados 17 atributos, incluindo tempo de espera, segurança, condições das
paradas e terminais, atendimento dos profissionais, condições dos veículos e
segurança.


A pesquisa, que já foi feita em Buenos Aires, Argentina, irá contemplar agora o
Recife e Lima (Peru). “Essa pesquisa estava prevista para ser feita em Bogotá
(Colômbia), mas conseguimos trazê-la para o Recife. Será importante termos esse
retrato nos 14 municípios da RMR”, ressaltou Maurício Pina, diretor de
Planejamento do Grande Recife.

Não é difícil imaginar as respostas dos usuários. Sempre haverá o que melhorar,
mas há situações piores que outras. O Diario visitou, ontem, três tipos de
terminais de ônibus na RMR. No corredor Norte/Sul, por onde passa o BRT,
visitamos o Pelópidas da Silveira, inaugurado em 2009. As instalações não estão
entre as maiores críticas, mas sim o longo tempo de espera. “Os ônibus são bons
e aqui tem BRT. A demora poderia ser menor”, diz Eliseu Bezerra, 55 anos.

Fora dos terminais do Sistema Estrutural Integrado (SEI), a situação é mais
complicada. Em Jardim Brasil 2, Olinda, a estrutura tem pouco espaço para o
usuário. “Os ônibus poderiam ser mais confortáveis. Não têm ar-condicionado. O
terminal também não é bom”, avalia Rafael Martins, 25, estudante.


Mas há situações piores. Em Sítio Novo, Olinda, os ônibus ficam na rua. “O
terminal é ruim, os ônibus são velhos e faz muito calor. Também demora muito”,
reclama Rafaela Ferreira, 26, cozinheira.

A reunião que definirá o valor da passagem, no Conselho Superior de
Transporte, está prevista para amanhã, às 8h. Mas o Ministério Público se
reunirá hoje com o Grande Recife para pedir adiamento e maior discussão com a
sociedade.

Conheça os
17 atributos que serão analisados na pesquisa da CAF

8
atributos (serviço):

–    Rapidez
–    Tarifa
–    Conforto
–    Segurança (acidente/ violência)
–    Confiabilidade
–    Intervalo
–    Desvios de rotas
–    Informações

2
atributos sobre o pessoal de operação:

–    Prudência na condução do veículo
–    Boa apresentação (asseio, uniforme)

4
atributos sobre as estações e paradas:

–    Higiene
–    Comodidade
–    Sistema de informações
–    Compra de bilhete de passagem

3
atributos sobre os veículos:

–    Comodidade (assento, iluminação)
–    Informação ao usuário no interior do veículo
–    Acessibilidade aos veículos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança