Encarroçadoras que se foram: Cermava

Fonte:
Lexicar
Fotos: Acervo


Com a crescente sofisticação introduzida nos ônibus rodoviários pela
concorrência, a participação da Cermava no segmento de longa distância, que
nunca foi significativa, se reduziu ainda mais. O modelo urbano, no entanto,
teria vida longa, passando por sucessivas atualizações estéticas ao longo da
década de 60, sempre mantendo a silhueta acentuadamente arredondada (porém bem
proporcionada) da marca, especialmente na traseira e na curvatura do teto. Em
1963 ganhou nova frente e para-brisas maiores e, logo a seguir, janelas
inclinadas em toda a linha e para-brisas dianteiros ainda mais altos e com
menor curvatura lateral.

Em
1966 o bem resolvido desenho de sua carroceria alcançou o melhor momento,
graças à nova traseira com amplos para-brisas e à peça de fibra-de-vidro
envolvendo a grade e os faróis duplos.

Em
1968, um anti-clímax com o lançamento do modelo Frente Nova (faróis
retangulares e grade de barras horizontais delgadas, encimada por uma larga
tela de alumínio de baixa qualidade). Este modelo foi retocado em 1970, quando
teve aliviada a infeliz estilização anterior, esforço auxiliado pelo retorno
dos faróis duplos e pela substituição da tela de alumínio expandido por barras
horizontais.

Embora apresentasse um produto de qualidade, a Cermava,
empresa de pequeno porte, não aproveitou o crescimento de mercado nos anos 60
para modernizar suas instalações, processos industriais e veículos, vindo a
sofrer fortemente os efeitos da crise que quase destruiu o setor no final da
década. Para agravar o cenário, em meio a uma disputa de herança pela morte do
proprietário, em fins de 1968 a fábrica foi tomada por um incêndio. A produção
foi drasticamente reduzida: de 440 ônibus em 1967 (417 urbanos, terceiro maior
produtor do país, junto da Eliziário), caiu para apenas 160 em 1970. Assim, em
outubro daquele ano, com a fabricação reduzida a menos de 20 carrocerias
mensais, a empresa – até recentemente líder de mercado no Rio de Janeiro –
entrou em concordata.

Cermava sobre chassi Mercedes-Benz LP-321 no fim da década de 1950; Pertencente a carioca Auto Ônibus Madureira, o veículo da foto está acompanhado de um hodômetro portátil, provavelmente procedendo à medição da extensão da linha
Na tentativa de ocupar sua mão-de-obra, que já fora
reduzida á metade, por encomenda da Construtora Camargo Corrêa fabricou, ainda
em 1970, um papa-filas para o transporte de trabalhadores no canteiro de obras
da hidrelétrica de Ilha Solteira. Montado sobre semi-reboque Fruehauf e
tracionado por um cavalo mecânico Mercedes-Benz LP331, o conjunto, com 18 m de
comprimento e capacidade para 238 passageiros, foi anunciado como o primeiro de
uma série. Apesar de ter sido também sugerida sua aplicação militar, para o
transporte de tropas, um único exemplar foi construído.

Em
1971 a Cermava conseguiu ainda alguma recuperação (229 carrocerias, das quais
190 urbanas), não logrando, porém, acompanhar os índices do setor e continuando
a perder posições relativas (8º – e penúltimo – produtor nacional, com 5% do
mercado, contra 5º lugar em 1967, com 11%). Finalmente, no último trimestre de
1971 a empresa decidiu encerrar a fabricação. Antes do final do ano, no
entanto, a Metropolitana adquiriu
suas instalações e, valendo-se do prestígio da marca Cermava, retomou a
produção, que logo alcançou 30 unidades mensais.

Mercedes-Benz LP 1970 da extinta Viação Coimbra, de Juiz de Fora (MG); Perfeitamente restaurado, o ônibus foi fotografado em 2014 por Jair Barreiros
Novo modelo foi apresentado em 1972. Numa época em que
a indústria de carrocerias embarcava na moda do teto plano, a Metropolitana
lançou mão de uma solução engenhosa para modernizar, sem grandes investimentos,
o estilo ultrapassado da Cermava: no alto das janelas laterais instalou “bandeiras” de vidro curvo que,
ao mesmo tempo que aumentava a visão externa para os passageiros de pé, não
exigia alterações na estrutura do ônibus nem a enfraquecia, como freqüentemente
ocorria nas casas fabricantes tecnicamente menos preparados. Disponível também
para montagem sobre chassis e plataformas com motor traseiro, este modelo foi
batizado Copacabana.
Último lançamento da Cermava, já sob a administração da Metropolitana, o modelo Copacabana foi o único ônibus brasileiro a trazer as janelas laterais com vidros curvos

Os últimos Cermavas produzidos foram modelos Metropolitana Ipanema
A compra da Cermava dotou a Metropolitana – que até
então só fabricara carrocerias de alumínio – de toda uma linha de produção de
estruturas de aço. Ao renovar seu modelo urbano em 1973 (ao qual deu o nome
Ipanema), a Metropolitana lançou-o em duas versões: com carroceria em aço
estampado ou em perfis de alumínio. A versão em aço foi chamada Cermava
Copacabana. Em 1975 a Caio adquiriu o controle da Metropolitana, desativando a
marca Cermava. Estima-se que, até sua transferência para a Metropolitana, a
empresa carioca tenha fabricado pouco mais de 6.000 unidades.

1 comentário em “Encarroçadoras que se foram: Cermava”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Senior da PB Rio Apache Vip V da Viação Pendotiba Apache Vip V da N.S. Penha Vissta Buss 360 da 1001 Torino da Turp Transporte Viação Águia Branca estreia o Marcopolo G8 Apache Vip V da Transportes Flores Apache Vip IV da Auto Viação Vera Cruz Viação Águia Branca recebe os primeiros Marcopolo G8 Apache Vip IV da Viação Araçatuba Novos chassis rodoviários Volvo para longas distâncias Apache Vip IV com a nova identidade da N.S. Penha