Ônibus Paraibanos

Usuários de terminal de integração em João Pessoa denunciam tráfico e consumo de drogas no local

Fonte: Portal Correio
Foto: Thiago Martins de Souza

Passageiros do Terminal de
Integração do Valentina, na Zona Sul de João Pessoa, próximo a um clube privado
de lazer, denunciaram que dividem espaço com usuários e traficantes de drogas,
além de correr o risco de sofrer assaltos a qualquer hora do dia.

Uma moradora informou ao
Portal Correio que há cerca de três meses, várias pessoas da região são
obrigados a conviver com essa situação. Ela disse ainda que são homens,
mulheres, adolescentes e crianças reféns do crack e da maconha, e acredita que
os administradores do terminal ainda não tomaram nenhuma providência,
possivelmente, por medo. Ela relatou também que houve um crescimento no número
de assaltos na localidade. “Nossas crianças saem cedo para ir à escola e nós
ficamos com o coração na mão, com medo de que algo, além do assalto, aconteça
com eles”, desabafou.
O comandante do 5º Batalhão
da Polícia Militar, major Carlos Roberto da Silva Sena, responsável pela
segurança na região, disse ao Portal Correio que a PM compareceu às ocorrências
no local todas as vezes que foi solicitada. Ele disse também que desde que
assumiu o comando, há oito meses, ainda não foi notificado sobre nenhum tipo de
denúncia relacionada ao tráfico ou que pessoas estariam consumindo drogas
dentro do Terminal de Integração do Valentina.
Porém, a Polícia Militar
está atenta para evitar qualquer tipo de ação que venha prejudicar os
moradores, conforme o major. O major informou ainda que o número de viaturas
foi dobrado e há a presença de uma viatura especial da Força Tática e três
motocicletas para ajudar no patrulhamento. Sena falou ainda que quem sofrer ou
presenciar algum crime no local pode entrar em contato com a polícia pelo
telefone gratuito 190, para que uma equipe se dirija à área. A empresa de
ônibus urbanos São Jorge é responsável pelo Terminal de Integração do
Valentina. De acordo com o auxiliar da chefia de tráfego, Antônio Dutra, nenhum
registro de crimes foi feito pelos fiscais do local. O auxiliar também lamentou
que o número de assaltos seja crescente nos veículos da empresa. De acordo com
uma média estudada pela própria viação, são dois crimes desse tipo por dia.
Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.