O impasse das tarifas

Fonte: Revista Autobus

Foto: Rodrigo Gomes 

O ano de 2014 poderá ser
marcado pela mudança de conceitos relacionados ao transporte coletivo e à
mobilidade urbana. Com o compromisso assumido de promover transporte público de
qualidade ao ser escolhido como realizador da Copa do Mundo de futebol este
ano, o Brasil projeta uma nova ordem nesse aspecto. Nas cidades sedes da
competição, os projetos contemplaram duas opções de sistemas – Veículo Leve
sobre Trilhos (VLT) e Bus Rapid Transit (BRT) para aumentar a oferta e ao mesmo
tempo propiciar uma melhoria em toda a rede de transporte. O BRT foi o modelo
de maior escolha por ter rápida implantação e custos menores em comparação ao
sistema de trilhos, podendo também apresentar a mesma eficiência operacional. 

Além de poder contar com os
avançados sistemas de corredores rápidos para ônibus, abrangendo uma rede
completa de alimentação, linhas troncos e integração com outros modais, as
cidades ainda encontram a opção de modelos mais simples, porém não sem
eficiência, que são as faixas exclusivas e configuram-se como alternativa de
baixo custo de implantação. Com os projetos implantados, um grande impulso à
economia brasileira, com benefícios às cidades e aos usuários do sistema.
Mas há um fator determinante
na gestão dos sistemas que influenciará diretamente todo o funcionamento da
rede de serviços de ônibus em nossas cidades – a tarifa congelada. Em matéria
publicada no jornal Valor Econômico, a questão dos não reajustes dos preços das
passagens em atendimento à voz das ruas tem sido o calcanhar de Aquiles do
setor de transporte coletivo. Os cálculos técnicos foram substituídos pelo
pedido do Governo Federal para não se pressionar a inflação e também pelo temor
de novos protestos populares. O resultado, segundo o artigo, indica uma
propensão de piora da qualidade dos serviços, com a segurada, por parte dos
empresários, do investimento na renovação da frota, além do aumento dos custos,
que impacta diretamente no nível de atendimento aos usuários. “Não tem como não
haver reajuste, porque é preciso fazer a recomposição de preços. O diesel subiu
18% no ano passado, o custo da mão de obra cresce em média 8% a 9% ao ano e as
tarifas ficaram praticamente congeladas em 2013″, disse o presidente-executivo
da NTU, Otávio da Cunha, na matéria.
A busca por uma
contrapartida vem da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP). Como não dá pra fugir
do referido assunto, alguém de que arcar com o auxílio direto ou indireto à
operação. Na opinião da entidade, sem o reajuste do valor da passagem faz-se
necessário um mecanismo que sustente os serviços sem causar prejuízos à
operadores e usuários. E nesse caso, a subvenção do poder público é
fundamental. Segundo a FNP, duas maneiras podem reverter esse quadro, que são a
aprovação do Reitup (Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo
Urbano e de Caráter Urbano de Passageiros) para a redução dos impostos do
serviço a tarifa e a utilização do subsídio cruzado, por meio da Cide
(Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), onde o imposto sobre a
gasolina é usado para subsidiar as passagens nas cidades.
Afinal, como destacou Otávio
Cunha, o transporte de qualidade custa caro e somente os usuários arcarem com
as despesas fica impossível essa alternativa de melhoria. Segundo o executivo,
a Lei de Mobilidade Urbana  fornece o instrumento para isso, que é a
desvinculação entre a tarifa pública e a tarifa de remuneração do serviço. A
tarifa de remuneração do serviço é quanto a empresa irá receber, e é resultado
dos gastos com o serviço. Um serviço racionalizado, que proporcione desempenho
nas operações, tende a ter um custo menor do que aquele que enfrenta diversas
barreiras, como os congestionamentos viários, que a cada dia reduzem a
velocidade dos ônibus.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança Novos Paradiso DD da Catedral Relembre os Alphas do intermunicipal paraibano