BYD chinesa planeja instalar fábrica no Brasil

Fonte: Transporte Mídia


Foto: Divulgação
Atraída pelo crescente
mercado automobilístico brasileiro, a chinesa BYD anunciou sua intenção de
construir uma fábrica no Brasil a curto prazo, tendo como o alvo principal o mercado
de ônibus elétricos. A empresa está estudando a localização da fábrica na
região sudeste e avalia o potencial de mercado para seus produtos, que incluem
carros elétricos, baterias recarregáveis para celulares e outros equipamentos
eletrônicos, que também abastecerão os demais países da América do Sul.

“A instalação da fábrica no
Brasil não é um projeto. É uma realidade”, afirmou Tyler Li, gerente geral da
BYD do Brasil. “Inicialmente a produção dos ônibus elétricos será pelo sistema
CKD, com os principais componentes vindo da China. A localização ainda está
sendo estudada, mas a escolha concentra-se no estado de São Paulo”.
A fabricante já anunciou o
investimento de US$ 80 milhões para a construção da fábrica brasileira, mais
US$ 80 milhões para compras de componentes na fase inicial de operação. ”Até
atingir o índice de conteúdo nacional exigido pela linha de crédito Finame, a
comercialização dos veículos BYD terá financiamento da própria empresa”, disse
Vagner Rigon, gerente de vendas da empresa. Ele informou que a construção da
fábrica no país também implica a criação de um centro de pesquisa em parceria
com universidades. Vai ser instalado também um CD de peças na cidade de Santos,
litoral paulista.
Com escritório sediado na
cidade de São Paulo há um ano e meio, a BYD do Brasil está testando dois ônibus
totalmente elétricos em São Paulo e Salvador. Na capital paulista a operadora
MobiBrasil é a parceira incumbida de realizar os testes, por enquanto apenas
com lastro. Em Salvador os testes foram iniciados em dezembro.
O ônibus elétrico em teste é
movido por três baterias de lítio fosfato de ferro, posicionadas sobre o teto.
Com 12 metros de comprimento, 2,55 metros de largura e altura de 3,36 metros, o
veículo tem carroceria de alumínio, peso bruto total de 19 toneladas e
capacidade para transportar 23 passageiros sentados, mais um cadeirante. Sua
velocidade máxima alcança 70 quilômetros por hora e seus dois motores, com
potência total de 270 cv, estão embutidos nas rodas do eixo traseiro.
Segundo Vagner Rigon, o
veículo tem autonomia superior a 250 quilômetros com única carga e a recarga
total das baterias é feita em cinco horas. O veículo possui também sistema de
frenagem regenerativa que recarrega as baterias. As baterias BYD têm longa vida
útil (de 30 anos) e são muito seguras – à prova de fogo, não explodem mesmo
expostas à chama direta – e são totalmente recicláveis.
Como já existem intenções de
compra do ônibus BYD no Brasil, Vagner Rigon prevê a comercialização de 200
unidades em 2014. O preço do veículo no exterior situa-se na faixa de R$ 500
mil, segundo a empresa, 5% a mais do que o ônibus híbrido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.