O perfil de Josivandro Avelar

by:

PerfilPostagens MISC/Variadas

Fonte:
Portal Ônibus Paraibanos
Matéria/Texto:
JC Barboza
Fotos:
Josivandro Avelar
Em mais um edição da “Coluna: Perfil”, apresentaremos
o participante Josivandro Avelar, nosso amigo de João Pessoa, que colabora sempre
e participa da Paraíba Bus Team e do Portal Ônibus Paraibanos, com textos,
matérias, especiais, séries históricas e tudo mais. Não temos como dizer qual
foi o momentos mais marcante do Josivandro dentro do nosso portal, mas que são
suas imensas colaborações todos os momentos marcantes. Vamos conferir o perfil
desse grande amigo e colaborador do Portal Ônibus Paraibanos!!!


Nome completo: Josivandro Fernandes de Avelar.

Idade: 24 anos. A três meses dos vinte e cinco.

Aonde mora: Rangel, João Pessoa.

Sua Profissão: Estudante do oitavo período (o último, inclusive)
de Publicidade e Propaganda no IESP.

Como e quando começou a
sua admiração por ônibus? Conte-nos como começou a curiosidade sobre o assunto!
Desde criança, quando me mudei temporariamente da
minha casa para uma outra no Cristo já que a casa onde atualmente moro estava
em construção. A antiga casa de taipa caía para dar lugar a que hoje moro
agora. Aí me mudei para a Rua dos Milagres junto com a minha família em 1992,
1993. Era a época do auge dos Setusa e dos minhocões da Transnacional (nem eu
sabia que não eram exatamente o que pareciam, eram mutantes e isso só fui
descobrir praticamente agora graças as memórias de Marcos Filho). Encantavam
por se destacar na rua em meio aos veículos comuns. E na falta do que fazer,
afinal tinha cinco anos de idade, usava caixas de gelo para fazer ônibus. Depois
fui evoluindo até para as miniaturas.
Na estrutura em questão, passei a acompanhar as
mudanças da mobilidade urbana e no que elas influenciavam na vida das pessoas;
das circularizações das linhas até os troca-trocas no 2300. Como moro
próximo da feira do bairro, por bem dizer o coração, dá para ter uma ideia do
que acontece no corredor principal e nos alternativos – desde o que acontece
com as linhas principais que passam na frente e atrás da rua da minha casa, até
o Ceasa e o Vale das Palmeiras que passam mais longe de casa por uma questão de
três quarteirões de distância de casa para cada linha. Uma curiosidade que
ajuda muito você a não se perder na cidade e que ajuda a entender porque as
coisas são daquele jeito e porque poderiam ser diferentes.

Qual ônibus antigo (fora
de linha) que mais aprecia?
O Torino 1989, primeiro modelo de fato que passei a
andar e que marcou época para mim.

Quais empresas você
admira?

Eu não guardo assim uma admiração por empresa, pelo
fato de que ora ela pode prestar um bom serviço, ora podem pisar na bola e aí
não tem história nem admiração que proteja a imagem de uma marca. Com a
Transnacional, por exemplo, tem momentos que ela pisa muito na bola mas volta e
meia ela acerta algumas coisas. Com as empresas consideradas históricas, como a
Marcos da Silva e a Mandacaruense, a mesma coisa. Você passa a acompanhar
aquela empresa desde criança e ver que ela realmente construiu uma história ao
longo dos anos, mas tem também aquelas deficiências como aliás todo mundo tem.

O que você acha da
busologia atualmente?
Eu acredito que em todo lugar e em todo grupo
existem pessoas confiáveis. E como em todo lugar sempre existe também aqueles
que tumultuam. Por eu ser independente – porque queria construir a minha marca
não só na busologia como também no meio da comunicação, e eu precisava
diversificar públicos e atividades – acompanho o que todos tem feito e de uma
maneira geral, acredito que a busologia precisa mais do que somente admirar um
veículo; precisa entender que esse veículo não precisa ser bonito para ser
visto, e sim funcional para ser usado. Afinal ele é componente de um conjunto
chamado mobilidade urbana que precisa muito ser funcional, afinal todo mundo
sente quando acontece um aumento de passagem ou queda de qualidade. Não é para
menos que essas questões tem sido estopim dos movimentos de rua que têm
acontecido recentemente.
Qual sua opinião sobre o sistema de transporte na Paraíba?
O sistema de transporte na Paraíba tem seus
acertos, mas tem seus problemas como qualquer sistema de transporte no país.
Costumo dizer que é preciso se dar um crédito de confiança a quem está
atualmente mexendo com isso, pois não se acerta de uma tacada só, é um processo
lento. Venho tocando muito recentemente num ponto delicado do sistema de transporte,
que é a acessibilidade. Especificamente em João Pessoa, temos 260 ônibus
adaptados, mas ainda temos uma dezena de linhas que não tem nenhum veículo
adaptado rodando. Como é uma questão social, não tenho vergonha de “encher
o saco” sobre o assunto principalmente nos trabalhos que executo nos
blogs. Não podia, por exemplo, um bairro como a Penha estar isolado a pessoas
de mobilidade reduzida e cadeirantes porque a empresa não dispunha de carro
adaptado. Hoje colocou um, mas ainda falta outro em outra linha.
Também tenho as minhas queixas sobre o atual
sistema do bairro onde moro, o Rangel, sobre a questão da sobreposição e má
distribuição das linhas, coisas que renderam artigos nos blogs. O que a gente
sente na pele a gente reproduz para o público. E em alguns momentos ele
corresponde. Até hoje não me esqueço do sucesso que foi a arte do #chegajorge.
Eu mesmo me surpreendi com a repercussão que aquela arte teve, e era
simplesmente despretensiosa. Por causa dos quase 920 compartilhamentos que a imagem
teve, isso ajudou a catalisar o projeto All types & Fotoartes que foi
criado dois meses depois da publicação dessa arte. E isso ajudou a
“homenageada” a se movimentar. Afinal, a São Jorge nunca havia
comprado tanto carro usado como em 2012, e em 2013 ela adquiriu ótimos veículos
mesmo seminovos. Se estava dentro da possibilidade da empresa, não vejo
problema nenhum em ela comprar veículos seminovos. Agora mesmo ela está
comprando veículos novos. Espero poder usufruir deles no meu itinerário de
faculdade, uma vez que dependo do 1001 para ir para lá.
Fale um pouco do seu trabalho a frente
do Blog Josivandro Avelar.
O blog existe há quatro anos e meio, e tem um
“filho”, o All types & Fotoartes, que foi a repaginação do antigo
blog de desenhos, e é o projeto onde as fotoartes são destacadas, até porque
não há espaço no blog principal para todas elas. O projeto AT&F (o acrônimo
do projeto) é sobre tudo; sobre o buraco na rua, sobre o ônibus que
demora, sobre uma flor no jardim, sobre o que você sente, sobre o que
você pensa, sobre o que você tem alegria e sobre o que você se revolta. Até
pelo ambiente onde vivo e pelo que sinto no dia-a-dia, a mobilidade toma conta
do projeto pelo menos uns 60%. O reflexo da repercussão do projeto está na
fanpage do AT&F, onde muitas artes são publicadas antes de elas irem para o
blog.
Sobre o blog propriamente dito, ele é de interesse
geral. É sobre tudo e para todos. E procurei me diferenciar e atualizar o
projeto para que ele se destacasse; além do All types, costumo escrever textos,
artigos, lancei os balanços semestrais dos adaptados para que as pessoas saibam
onde os ônibus adaptados estão, os cartazes comemorativos de datas, as próprias
artes, assuntos dedicados ao design e identidade visual, área a qual pretendo
seguir na publicidade. É um blog que alia exatamente o que você lê ao que você
vê. A qualidade dos textos a qualidade das artes visuais publicadas ali,
afinal, quando quis entrar nesse meio, entrei para não querer fazer qualquer
coisa e até deixei meus primeiros textos arquivados lembrando do meu total
amadorismo da época e de como eu evoluí nesses quatro anos e meio. E como o
projeto amadureceu.
As marcas dos blogs fazem parte do projeto
Companhia Ideias, um grupo de criação que criei em 2010 já com o blog
consolidado e preparado para ter uma marca que foi melhorada agora. A Companhia
Ideias deverá executar uma campanha para uma serigrafia, como trabalho de
conclusão de curso para a faculdade onde estudo. Esse grupo é composto por mim
e mais três meninas. Além de ser um projeto bem amplo, a marca e a página estão
na apresentação da agência e ficarão registradas como fonte da origem da
Companhia Ideias no TCC.
O Blog Josivandro Avelar é um projeto que
amadureceu e que não é só mais um blog pessoal entre tantos. Criou projetos e
um deles é esse trabalho de campanha. Na campanha a Companhia Ideias será uma
agência de publicidade. É só mais uma das áreas onde começaremos a ir longe,
dessa vez como uma equipe propriamente dita.

Conte-nos um fato curioso
que você vivenciou relacionado com ônibus.
Só o 1001 me rendeu várias histórias, a maioria
delas relacionada a carros da São Jorge aonde eu era literalmente o último a
descer, já que os motoristas recolhiam os carros para a garagem após irem ao
IESP, já que na maioria dos vezes os carros davam problemas. Em um eu desci e 5
metros depois o carro quebrou – era a primeira vez que pegava o 0285, em outro
o carro nem chegou a sair do Hiper, quebrou no posto ao lado – o 0232, em outro
eu ia pagar a passagem e fui orientado a subir pela frente porque o carro iria
cortar caminho por estar atrasado. Acabei nem pagando a passagem.
Agora um bem curioso mesmo foi no ano passado.
Depois de anos sem pegar o Ceasão (apelido carinhoso para o 201-Ceasa), resolvi
voltar a andar nele e peguei o carro 0754 (o Viale hoje desativado), e na mesma
parada em que eu vinha, subiu um moço que embarcou com um cartão de estudante que
não era dele. A cobradora viu, tomou o cartão e começou uma confusão que durou
absolutamente a viagem toda até que uma hora o motorista perdeu a paciência e
reclamou daquele moço. Foi um “muído” só. Marcou a minha volta a
linha 201 como opção de retorno para casa depois de uns quatro anos.

Qual sua opinião em relação ao trabalho realizado pelo Grupo Paraíba Bus/Ônibus
Paraibanos?
Venho acompanhando o trabalho realizado pelos
grupos desde o início, e mesmo não fazendo efetivamente parte deles, tenho colaborado,
através de uma relação de parceria do meu projeto com este. É uma relação de
troca, tanto dos textos publicados lá que são publicados aqui, quanto do
trabalho dos fotógrafos do grupo que tem suas imagens utilizadas para as
fotoartes. O projeto AT&F foi um dos pioneiros a mencionar o autor das
fotos usadas nos trabalhos nas artes compartilhadas nas redes sociais, pela
importância que o trabalho deles tem com o meu e como eles tem me ajudado. E
mais que isso, que o fundamental da arte começou a partir deles, eu só faço o
texto e coloco os filtros e bordas. É uma maneira de fazer a diferença e
retribuir a ajuda. Tem sido importante e fundamental para o trabalho executado
no Blog Josivandro Avelar. Afinal, nada se constrói sem boas parcerias, e o
Ônibus Paraibanos tem sido um parceiro fundamental na divulgação e difusão dos
projetos que eu desenvolvo. Por meio deles as pessoas conhecem melhor o meu
trabalho e sabem que o que eu faço é bem amplo. Espero firmar também outras
parcerias com aqueles que gostariam de contar comigo para divulgar aquelas
situações nas suas cidades, pois além da amplitude de assuntos, quero também
ampliar o projeto geograficamente para além da Paraíba.
O trabalho realizado pelo grupo tem sido de ampla
qualidade e reconhecimento, e espero que continue indo longe como já tem ido
longe. Desejo sucesso ao grupo e espero continuar contando com a parceria do
mesmo. É fundamental manter relações de parceria construtivas, e essa tem sido
uma delas.
Visitem o Blog Josivandro Avelar, parceiro do nosso Portal:

Visitem também o All Types & Fotoartes:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.