Ônibus Paraibanos

Especial de domingo: Thamco Gemini, o primeiro DD rodoviário do Brasil

Fonte: Mobilidade em Foco/Portal Ônibus Paraibanos
Matéria/Texto: Carlos Alberto Ribeiro/JC Barboza
Fotos: Divulgação/Portal Interbuss/Acervo Paraíba Bus Team

“O ônibus com carroceria fabricada pela Thamco, modelo Gemini, foi o primeiro DD (Double Decker) fabricado no Brasil para o segmento rodoviário”.



Muitas pessoas
tem em mente que o primeiro ônibus dois andares (DD) foi fabricado pela
encarroçadora gaúcha Marcopolo, situada na cidade de Caxias do Sul. Lançado em
1995, o modelo Paradiso 1800 DD reinou sozinho no mercado por três anos, de
1995 a 1998, quando então a fabricante Busscar lançou o Panorâmico DD. No
entanto, seis anos antes da Marcopolo, no final de 1989, a Thamco anunciou que
em janeiro de 1990 ela lançaria um novo e sofisticado ônibus para o segmento
rodoviário, voltado especificamente para o turismo, para serviços executivos de
recepção e traslado, mas que poderia ser aproveitado para linhas rodoviárias de
média e longa distância, dada a sua versatilidade, o moderno projeto e as
configurações dos dois salões de passageiros situados em dois andares.

O
novo ônibus recebeu o nome de Gemini. Gemini quer dizer “gêmeos”, ou seja, eram
duas carrocerias gêmeas, sobrepostas uma sobre a outra, formando dois andares,
algo inédito no Brasil. Já tivemos outras carrocerias denominadas como dois
andares no Brasil. Em 1958 aqui chegou os GM Flexible importados dos EUA pela
Expresso Brasileiro. Eles receberam a denominação técnica de DD, mas de DD
tinha apenas um ressalto de degrau no corredor do salão de passageiros,
tornando uma parte do salão de passageiros mais alto do que a outra. Este mesmo
ressalto se aplicava ao teto. A elevação de cerca de 20 cm no corredor e no
salão de passageiros, com acesso através de degrau, se aplicava ao teto, com
uma parte mais alta do que a outra. Em 1972 tivemos outro ônibus configurado
como dois andares, o Marcopolo II “Camelo”, apelido dado por causa da corcunda
no teto, o ressalto.

Os ônibus de dois andares começaram como um projeto da equipe de assessoria do
prefeito de São Paulo, Jânio Quadros, e foram inspirados nos ônibus que
circulavam em Londres, os famosos Leyland. O prefeito Jânio era um entusiasta
dos ônibus dois andares e encomendou a empresa estatal que operava o transporte
coletivo urbano na cidade de São Paulo, CMTC (Companhia Municipal de Transporte
Coletivo), estudos neste sentido. Os dez primeiros carros foram fabricados pela
própria CMTC (projeto do arquiteto Luiz Paulo Gião de Campos e do engenheiro
Alvaro Szasz, baseado em um modelo Leyland inglês) e a MAFERSA é quem deveria
construir os restantes. Porém, devido ao alto preço pedido, a CMTC realizou uma
nova licitação onde a THAMCO saiu vitoriosa. Seriam 10 carros por mês, de abril
a julho, e 30 entre agosto e setembro. Foram apelidados de “Fofão”
pela população e os ônibus caíram nas graças do povo, embora a Thamco tenha
batizado os modelos como ODA (ônibus de dois andares).


Da tecnologia desenvolvida para os ODA, nasceu a
ideia e o projeto do Gemini. A carroceria deste tinha 12,86 metros de
comprimento, a largura era de 2,60 metros e a altura total da carroceria ficou
em 4,25 metros. Apenas para comparar, a mais alta carroceria de ônibus em 1989
tinha 3,80 metros de altura e pertencia aos modelos rodoviários Marcopolo
Paradiso 1400 G.IV e Nielson Diplomata 380. Ambos com carroceria classificada
como HD (High Deck), mas 45 cm menores em altura. E isso fazia toda a
diferença, pois seria praticamente a altura oficial dos futuros DD lançados em
1995 pela Marcopolo e em 1998 pela Busscar, mas com 15 cm a menos.

Essa altura extra do Gemini em relação aos HD
Paradiso 1400 e Diplomata 380 permitia algo que neles não poderia ser
executado, que era a destinação do 1º andar para o salão de passageiros. No
Paradiso e no Diplomata a altura do bagageiro externo era de 1,40 metro, muito
pouco para a instalação de um salão de passageiros nele. No mínimo a altura
teria de ser de 1,85 metro. No Gemini a capacidade total de passageiros era de
76, enquanto no Diplomata 380 e Paradiso 1400 variava entre 26 (Leito); 42 a 46
(Convencional). No 1º andar do Gemini foram disponibilizadas 22 poltronas e no
2º andar outras 54. O conforto dos usuários também foi contemplado no projeto
da Thamco, pois o espaçamento entre as poltronas era de 880 mm e a largura das
mesmas de 1,22 metro. Tudo semelhante a configuração de um ônibus com salão de
passageiros Convencional. O banheiro seria um só e ficava situado no 1º andar,
próximo a escada de acesso ao andar superior.

O bagageiro destinado às bagagens e/ou encomendas
ficou com excelentes 12,19m3 (metros cúbicos). O chassi, na época, somente uma
fabricante tinha tecnologia disponível para atender as especificações. Era a
Scania. Foram feitas adaptações estruturais no chassi K112TL 6 x 2, versão
trucada de fábrica, e o mesmo tornou-se apto e homologado para receber a nova
carroceria da Thamco, a maior fabricada no Brasil. O motor empregado no
powertrain do chassi era da Scania, modelo DSC-1101, 11 litros, seis cilindros
em linha, turboalimentado, com intercooler, sistema de injeção direta e
mecânica via bomba injetora, 333 cv de potência, 145 mkgf de torque, com
posição longitudinal e traseira. O chassi contava ainda com suspensão a ar nos
três eixos e freios a ar. O novo ônibus prometia ser uma alternativa
interessante, com uma nova proposta, que era de levar mais passageiros por
viagem, praticamente 34 a mais, com um consumo pouca coisa maior do que um
ônibus convencional. Eram dois ônibus num só. 

Veículo especialmente recomendado para linhas de
alta demanda de passageiros e linhas de alto valor agregado, como Curitiba x
São Paulo e Rio de Janeiro x São Paulo, bem como outras linhas Vips de empresas
Brasil afora. O projeto não vingou, não teve sequência a partir de 1990 devido
às dificuldades econômicas que assolaram o balanço orçamentário da Thamco,
levando a empresa ao processo de falência e o fechamento da fábrica. Então,
cinco anos depois, em 1995, surgiu o Marcopolo Paradiso 1800 DD G.V. O primeiro
DD em escala comercial fabricado no Brasil, que reinou sozinho no mercado até
1998. Tanto ele quanto a Scania. Somente a Scania fabricou neste mesmo período
chassis para carrocerias LD e DD. E também somente a Scania fabricou neste
mesmo período chassis de configuração 8 x 2, os chamados quatro eixos, com
duplo eixo dianteiro bidirecional.

Gemini na Paraíba?

Logo após seu lançamento, a Trans Paraíba, umas das maiores empresas que existiu na Paraíba, anunciou a aquisição de unidades do Thamco Gemini para operação em suas linhas intermunicipais no estado. Anúncios saíram em jornais, até datando o lançamento de tais ônibus. Seriam produzidos com chassis Scania  K-112 TL 6X2 com capacidade de até 80 passageiros, porém, não se tem informação e nem registro algum desses ônibus em operação tanto pela Trans Paraíba como por qualquer outra empresa no estado.
Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.