Ônibus Paraibanos

Especial de domingo – A evolução da família Torino ao longo de 30 anos e sua presença na Paraíba

Fonte: Portal Ônibus
Paraibanos
Matéria/Texto: Paulo
Rafael Viana
Colaboração: Marcos Filho / JC Barboza
Desde 1983 a encarroçadora
Marcopolo, sediada no município de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, fabrica
e vende aos montes para todo o país o seu modelo urbano mais conhecido, e um
dos mais vendidos do país: o Torino. Durante esses trinta anos já foram lançadas
cinco versões na família Torino, e todas as cinco marcaram presença na frota
regular paraibana, e ainda marcam presença como escolares ou particulares por
todo o estado. Vejam aqui nessa matéria o que mudou em cada Torino, fotos de
cada versão pela frota paraibana, anos de lançamento, nomenclaturas oficiais e
não-oficiais, e muito mais!!!

A origem – Em 1983 a
Marcopolo lança o Torino, modelo que muitos dizem ter surgido de outra família
de modelos da Marcopolo, o San Remo, que teve duas versões apenas. O primeiro
San Remo surge, trazendo pontas arredondadas e traços bem modernos para o
design comum da época. Um fato curioso é que a empresa pessoense Mandacaruense
adquiriu seu último San Remo I (foto ao lado), o de prefixo 0420, em meados de
1985; este chegou praticamente junto com o primeiro e único Torino 1983. Sendo
assim fica uma pergunta: até que ano o San Remo I saiu de fábrica, já que em
1985 (dois anos após o lançamento do Torino) chega um zero quilômetro na
Mandacaruense? Será que os dois modelos tiveram produção paralela pela
Marcopolo, assim como atualmente temos o Torino e o Viale, dois modelos
distintos sendo fabricados? Ou será que esse San Remo I já estaria pronto e
guardado na fábrica, aguardando pagamento ou algo do tipo?
San Remo II, o inspirador da família Torino
O primeiro Torino – Sua
nomenclatura oficial é apenas TORINO, como pode-se ver nas plaquetas de
identificação da Marcopolo no interior desse modelo, mas acabou ficando
conhecido também como Torino 1983 (ano de seu lançamento), Torino III ou Torino
G3. Inicialmente tinha janela do motorista
menor e placa traseira no para-choques. Em 1984 foi lançado uma nova versão,
que foi produzida até 1988, com janela do motorista maior e placa traseira
entre o conjunto de farois. (Fonte: Wikipédia)
Primeiro modelo do Torino, da extinta Viação São Judas Tadeu de João Pessoa, sendo depredado num protesto contra o aumento das passagens em 1988

Torino 1983 da Transnacional na linha 202

Sim, esse é um Torino 1983/G3, um dos que foram reformados com mutação para o modelo sucessor, numa tentativa de aparentar uma frota renovada na época
Vendo assim você pode se
perguntar: se esse Torino 1983 foi o primeiro Torino lançado, como ele é
chamado de terceiro Torino? A resposta é simples e só foi dada (assim como
surgiu a pergunta) em 1995 quando lançaram o Torino GV, que veremos mais
abaixo. Sendo o Torino GV (V = 5 em algarismos romanos) o quinto Torino, teve o
Torino 1989 como quarto Torino e o Torino 1983 como terceiro. Resumindo: é uma
família de modelos que já nasceu na terceira geração, que ao que tudo indica
claramente, a família Torino foi originada a partir da família San Remo, que
como citamos acima teve apenas duas versões.
O segundo Torino –
Oficialmente sua nomenclatura também é TORINO, mas não oficialmente é conhecido
também como Torino 1989, Torino IV ou Torino G4. Ele é mais conhecido ainda como
Torino LN (sigla pra Letreiro Novo).
As diferenças para o
Torino anterior ficaram apenas nas lanternas dianteiras e traseiras, na janela
do motorista e na própria caixa do itinerário, que acabou dando a sigla LN. O
tal Torino LN foi lançado em 1990, um ano depois do lançamento do segundo
modelo do Torino, e trazia um novo sistema de abertura e fechamento das portas,
além das barras laterais passarem a ser do lado de dentro das portas, e não
externamente na carroceria.

Um Torino 1989 de dono particular no município de Conde, 25 km de João Pessoa. Aparenta ser ex-Transnacional

O terceiro Torino – Eis o
único dos Torinos que sua nomenclatura é oficialmente dada pela geração, assim
como nos rodoviários, pela própria Marcopolo. Esse é o Torino GV, lançado pela
Marcopolo em 1995. Foi o ponto de mudanças totais na família Torino, visto que
no Torino GV todos os traços usados nos dois Torinos anteriores e nos próprios
San Remo foram deixados de lado.

Dois Torino GV em Campina Grande: à esquerda um da Transnacional numa espécia de padronização numa linha municipal. os azulões; à direita um da Nacional de Luxo, que mesmo com o para-choque alto, é Mercedes-Benz

Um detalhe curioso é que
os Torinos GV encarroçados em chassi Scania F-113HL tinham o para-choque alto,
diferente dos Mercedes-Benz que tinham o para-choque pequeno. Mas pela Paraíba
foi e ainda é muito comum achar Torinos GV com chassi Mercedes-Benz com o
para-choque alto, confundindo muitos achando que eles são Scania. Esses podem ser vistos nas fotos acima.
O último dos GVs da região metropolitana de JP em linha intermunicipal
O quarto Torino – Um dos
mais belos dos Torinos. Trouxe um visual limpo e moderno ao mesmo tempo, sem
muitos traços e curvas extravagantes. Foi lançado em 1999, e assim ficou
conhecido como Torino 99, mas também é conhecido como Torino G6, Torino GVI ou
para alguns, Torino GV II, que acham que o Torino 1999 nada mais é que uma
reformulação do Torino anterior, o GV.
Torino G6 da Transnacional, um verdadeiro clássico dos anos 2000

O último dos Torinos G6 a sair da frota da Reunidas. Terminou sua carreira numa linha integracional do Cidade Verde

  

Particulamente acho que
isso de GV II e o argumento de “O 1999 é a reformulação do GV” não
faz sentido, visto que cada Torino é a reformulação do modelo anterior.
Seguindo a lógica desse argumento todos os Torinos eram pra ser chamados Torino
1983 I, Torino 1983 II, Torino 1983 III, Torino 1983 IV, e assim por diante. Um
único ponto pode fazer um certo sentido para argumentar que o Torino 1999 é a
reformulação direta do Torino GV, já que o GV foi fabricado por apenas quatro
anos, diferente do restante da família, que chegaram a ser fabricados entre
seis e oito anos.
Possui traços do
antecessor Torino GV tanto externamente como internamente. O interior passou
por reformulações, inovando no formato dos balaústres, que deixaram de ser
verticais para serem curvados, formato esse utilizado até hoje pelo Torino
atual. O interior do Torino 1999 é idêntico ao interior do modelo Viale, com
diferenças apenas na tampa do itinerário.
Interior de um Torino 99 da Netumar
O Torino G6 marcou uma
presença numerosa na frota do Grupo A Candido, tanto em Campina Grande como em
João Pessoa. Atualmente os únicos que sobraram na frota de João Pessoa foi o
0430 da Mandacaruense e os 0940 e 0942 da Marcos da Silva. Tem também algumas
unidades na empresa Wilson de Bayeux e uma única unidade na Rodoviária Santa
Rita.
O quinto Torino – É o
Torino que está sendo produzido atualmente. Foi lançado em 2007, e assim ficou
conhecido como Torino 2007, mas também é chamado de Torino G7 ou Torino GVU.

Trouxe várias mudanças na
dianteira e na traseira, além da janela do motorista e parte do interior. Na
dianteira podemos ver um aumento na grade de ventilação, além de uma bela
reformulação das lanternas. Já na traseira o vigia traseiro (espaço geralmente usado
para publicidade) foi diminuído, e as lanternas também foram reformuladas. Já
no interior as luminárias ganharam formato arredondado e opcional de iluminação
em LED, e as caixas das portas ficaram maiores.

Todas as seis empresas de
João Pessoa possuem o modelo, assim como em Campina Grande com suas seis
empresas também (apenas uma não possui, que vem a ser a sétima empresa). É um
dos modelos urbanos mais vendidos do país, marcando presença em várias cidades,
dentre várias podemos mostrar Recife e Rio de Janeiro:
Torino OF-1722 da Rodoviária Caxangá, sediada em Olinda, e que opera várias linhas na região metropolitana do Recife

Torino OF-1519 da Transportes Barra do Rio de Janeiro
_____________________
Duas matérias postadas
aqui no Portal Ônibus Paraibanos anteriormente relacionadas aos Torinos:

Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.