Década de 90: Acidente com monobloco da SETUSA

Fonte: Portal Ônibus Paraibanos
Matéria/Texto: Paulo Rafael Viana
Fotos: Acervo Paraíba Bus Team

05025 do SETUSA num acidente em Junho de 1993

Em mais um resgaste histórico do nosso portal, trazemos aqui para
vocês apreciarem (as
fotos, não a tragédia)
. Trata-se de um acidente que envolveu um Monobloco
O-365 da extinta SETUSA com um Volkswagen Passat no ano de 1993.

Conseguimos esse material e muitas outras preciosidades para manter viva a memória do
antigo transporte de João Pessoa, e a equipe do Portal Ônibus Paraibanos compartilhará sempre o resultado de nossas pesquisas com nossos leitores como temos feito ao passar dos anos!!!
Vamos a notícia:
Tragédia no Castelo Branco – Estudante da UFPB é morta por ônibus da Setusa
A
estudante do curso de Ciências Contábeis, Giovanna Azevedo Targino, 21 anos,
morreu ontem por volta das 10h30min, na Avenida Castelo Branco, no trecho que
liga o conjunto à rua Tito Silva, em Miramar. O Passat de placas AAC-3748-Natal
foi atingido com violência pelo ônibus do Setusa número 05025, placas
SA-4967-João Pessoa, quebranco o pescoço da estudante, que teve morte imediata.
A versão levada ao conhecimento da polícia foi que a manga do eixo do ônibus
quebrou após cruzar a ponte sobre o Rio Jaguaribe, indo para a contramão,
alcançando o Passat da estudante.
Giovanna
morava com os pais, […] e estava retornando pelo Castelo Branco em direção ao
apartamento dos pais em Tambaú. O motorista do Setusa perdeu o controle de
direção e o veículo foi de encontro ao Passat de Giovanna, para em seguida
parar num terreno baldio, quase atingindo uma oficina mecânica.
O
motorista do ônibus desceu e ao ver a gravidade do acidente que causara tratou
de fugir do local. Enquanto isso, a estudante ficou presa ao monte de ferro
retorcido, sendo retirada por um policial civil e populares. Colocada numa
viatura, Giovanna chegou morta no Hospital Samaritano. Os médicos logo
constataram que a estudante estava morta e por isso o corpo sequer chegou a ser
retirado da viatura. O agente telefonou para a delegada e recebeu ordens para
conduzir o corpo para o Departamento de Medicina Legal, no bairro do Cristo
Redentor.

1ª imagem: Trânsito no local do acidente; 2ª imagem: Volkswagen Passat da estudante morta depois do acidente

Moradores revoltados – Ônibus quase foi incendiado
Moradores
do conjunto Castelo Branco ficaram revoltados com a morte da estudante e
ameaçaram tocar fogo no ônibus depois que o motorista abandonou o veículo e
fugiu para não ser preso. O cobrador Clóvis de Souza Maia ficou no local alguns
minutos e também tratou de fugir quando percebeu que a revolta dos moradores
aumentava a cada minuto. Os manifestantes gritavam que o acidente aconteceu por
irresponsabilidade da direção do Setusa que coloca ônibus imprestáveis para
circular.
A
cada momento aumentava o número de pessoas que concordavam com a destruição do
ônibus, mas isto foi evitado com a chegada das Polícias Civil e Militar. O
trânsito no local ficou tumultuado e por várias horas a PM teve que controlar o
tráfego para evitar novas colisões. A Companhia de Trânsito mandou uma equipe
para evitar mais problemas. A delegada Magna Coeli, solicitou que fosse feita
uma perícia no ônibus para se saber qual foi a causa do acidente. […]
Motorista: reclamação e mau humor
Por
causa da greve de motoristas e cobradores, a frota foi reduzida, o que
acarretou em muitos atropelos para os que necessitam de recorrer aos sucateados
ônibus do Setusa. Testemunhas disseram que o motorista do ônibus estava
mal-humorado e reclamava muito por ter sido escalado para trabalhar, quando
preferia estar junto com os colegas em greve. Durante todo o trajeto o
motorista reclamava dos passageiros que entravam pela frente (principalmente os
idosos). 

Quando
o ônibus se desgovernou e bateu no Passat, muitas pessoas foram projetadas para
a frente, sofrendo ferimentos ao baterem nos braços de ferros das cadeiras. Os
idosos estavam na parte da frente junto ao motorista e foram os que mais
sofreram com o impacto. Pelo menos oito pessoas ficaram feridas e tiveram que
ser medicadas em hospitais, no entanto ninguém ficou internado.

2 comentários em “Década de 90: Acidente com monobloco da SETUSA”

  1. Parabéns por manter viva nossa história, eu utilizei muito a SETUSA, hoje não dispomos de uma empresa pública de transporte coletivo, na minha opinião ela atendia a necessidade da época, porém com o passar dos anos os ônibus foram sucateando e o resultado foi esse, diversos acidentes e ônibus quebrando sem concluir o trajeto deixando passageiros prejudicados. Antônio Carlos – J.Américo

  2. A setusa ainda vive hoje presente na nossa capital é so´observar os onibus das empresas mandacaruense e marcos da silva pois retratam a falta de compromisso desses donos dessas empresas com o seu passageiro do dia a dia onibus velhos e sucateados rodam diariamente nas respectivas linhas onde essas empresas operam e a semob que é responsavel pela fiscalização nao faz absolutamente nada acho que estao Deus me livre esperando acontecer outra tragedia igual a que aconteceu com o onibus da rodoviaria santa rita.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança Novos Paradiso DD da Catedral Relembre os Alphas do intermunicipal paraibano