Ônibus Paraibanos

Volvo desenvolve ônibus especiais para o BRT

Fonte: Cruzeiro do Sul
Foto: Thiago Martins de Souza/Divulgação

A implantação do sistema de transporte de Curitiba
contou com uma parceira pioneira dentro desse novo modelo de transporte
coletivo. Para conseguir agilizar o atendimento dos usuários dentro dos eixos
exclusivos, a Prefeitura da capital paranaense lançou o desafio para a fábrica
da Volvo, que havia se instalado na cidade no final de década de 70, para
desenvolvimento de um ônibus de alto desempenho e que transportasse um maior
número de passageiros. Foi então que surgiram os primeiros ônibus articulados, com
capacidade para até 170 passageiros, principal modelo adotado mundialmente para
o sistema BRT. As primeiras unidades começaram a ser produzidas pela planta de
Curitiba em 1981.

O gerente de BRT da Volvo Brasil, Ayrton Amaral,
denomina esse start para a fabricação dos biarticulados como uma parceria
criativa e que ainda hoje mantém a empresa como líder no fornecimento de
veículos para operação em BRT na América Latina. Ele afirma que a principal
alteração feita para garantir o aumento do espaço dos ônibus e permitir o seu
prolongamento foi a instalação da unidade motora abaixo no piso dianteiro e não
mais no compartimento traseiro. “Com isso, um ônibus com o mesmo
comprimento já aumentava em 10% o espaço para passageiros.” Junto com essa
mudança vieram outras tecnologias que também contribuíram para aumentar a
segurança e conforto dos veículos, como a suspensão a ar, marcha automática e
freio a disco e ar-condicionado.
Em 1991, dez anos depois do lançamento dos
primeiros articulados, Amaral diz que a fábrica recebeu um novo desafio do
então prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, o desenvolvimento do biarticulado,
que ampliou para 250 o número de passageiros por veículo. Ainda hoje, a Volvo é
a única fábrica a produzir esse modelo de ônibus, que é utilizado em sistemas
BRT de referência internacional, como a Transmilênio, em Bogotá (Colômbia). No
Brasil, o biarticulado é usado em três capitais: Curitiba, Goiânia e São Paulo.

Amaral considera que o BRT é a melhor solução em
transporte para cidades com alta demanda de passageiros, com a vantagem de ser
um sistema com custo reduzido, em relação a outros sistemas como metrô e VLT, e
ainda ter agilidade na implantação. O gerente da Volvo diz que o custo por
passageiro é o principal benefício na utilização desses veículos longos. No
caso do articulado, a redução é de 20% e, no biarticulado, chega a 33%,
comparado aos modelos padron.
Apesar da extensão maior, o gerente de BRT da Volvo
garante que os veículos articulados conseguem rodar em vias normais de
trânsito, já que o raio de giro é o mesmo dos ônibus convencionais, ou seja, de
14 metros. Na avaliação de Amaral, essa “metronização dos ônibus”,
conforme definiu o ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner, é uma tendência que
deve ganhar cada vez mais mercado devido a seu custo-benefício. Segundo ele,
além do sistema requerer um investimento vinte vezes menor que o metrô, ele
consegue atender uma demanda de até 50 mil passageiros por hora/sentido, volume
só obtido até hoje por 10 linhas de metrô em todo o mundo.
Compartilhe esta matéria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.