Brasil domina tecnologia de produção de ônibus elétricos

Fonte: Segs
Fotos: Acervo Paraíba Bus Team

Depois do carro a álcool, com tecnologia 100%
nacional, agora é a vez da multiplicação dos ônibus elétricos pelo país. As
obras da Copa do Mundo e a necessidade, cada vez mais presente nas grandes
cidades, do uso de energia limpa nos veículos de transporte urbano têm ajudado
a alavancar os pedidos de veículos com tração elétrica. A Eletra é uma empresa brasileira especializada
nessa tecnologia e fabrica veículos com tração elétrica nas versões trólebus
(rede aérea); híbrido (grupo motor gerador + baterias); e elétrico puro
(baterias), que podem ser adotadas em veículos para transporte urbano de
passageiros. 

A empresa já esta neste mercado há mais de 30 anos.
Em 1999, a Eletra criou o primeiro ônibus elétrico híbrido com tecnologia
brasileira. Hoje, a marca está presente em 300 trólebus e em 45 híbridos em
operação na grande São Paulo, além de cidades como Rosário, na Argentina, e
Wellington, na Nova Zelândia.
Conheça as diferenças:
Trólebus

É um veículo tracionado por motor elétrico cuja
única fonte de geração de energia é a rede aérea de distribuição. Essa
tecnologia tem como grande mérito a emissão zero de poluentes, já que não
utiliza motor a combustão. A redução da emissão de gases do efeito estufa
melhora em muito a qualidade de vida nos centros urbanos pela não-emissão de
fumaça (material particulado), que, segundo dados divulgados pelo Banco
Mundial, é o poluente mais nocivo à saúde da população local. Os benefícios da
não-emissão refletem em todos os habitantes com a diminuição de doenças
cardíacas, respiratórias, alérgicas, entre outras. Estudos mostram que até o
estresse tem causa na má qualidade do ar.

Os trólebus não têm câmbio, a frenagem é elétrica e
toda a operação é controlada eletronicamente. O gerenciamento eletrônico reduz
significativamente o custo da operação, garantindo mais agilidade na manutenção
e maior durabilidade dos componentes.
Para o usuário, o trólebus oferece bastante
conforto em relação aos ônibus convencionais. A aceleração controlada
eletronicamente evita os trancos constantes; o ruído, interno ou externo, é
baixo, reduzido em até 50%; o condutor do veículo trabalha com muito mais
conforto, bem estar e tranqüilidade o que reflete no tratamento com o
passageiro e na condução do veículo.
A Eletra desenvolveu um sistema autônomo com
baterias, que permite o deslocamento do trólebus sem rede aérea. Esta nova
tecnologia evita a interrupção do sistema, pois o deslocamento é suficiente
para que o trólebus alcance um novo trecho com energia.
Híbrido

É qualquer veículo que combina duas ou mais fontes
de energia para seu funcionamento. Os ônibus híbridos da Eletra usam as
seguintes fontes de energia: grupo motor gerador e baterias operam no sistema
em “série”, onde apenas o motor elétrico é responsável pela tração nas rodas e
o conjunto motor-gerador gera a energia necessária para movimentar o veículo.
Durante o trajeto, o motor elétrico recebe energia do conjunto motor-gerador e
do conjunto de baterias. Quando o veículo está parado para entrada ou saída de
passageiros, o conjunto motor-gerador recarrega as baterias. 

O conjunto motor-gerador pode ser constituído por
motor a diesel, álcool, gás, gasolina, ou quaisquer outros combustíveis. Quando
é dada a partida apenas as baterias geram energia. A partir da velocidade de
15km/h o grupo motor gerador passa a contribuir no balanço energético,
permanecendo no ponto ideal de rotação. Para um motor diesel, o “ponto ideal” é
quando se verifica a melhor condição de consumo e emissão. Ou seja, quando
consome menos combustível e emite menos poluente.
Esta configuração permite ainda que se utilize um
motor diesel muito menor e menos poluente.
Elétrico Puro

O ônibus elétrico puro é tracionado por motor
elétrico cuja única fonte de energia está acumulada a bordo, em um banco de
baterias. O sistema de tração é o mesmo aplicado aos trólebus, porém não
necessita de rede aérea, podendo operar em qualquer viário. Quando acionamos o
sistema autônomo nos trólebus, eles passam a ser elétricos puros.

Apesar de muito conhecida, essa tecnologia é pouco
utilizada no transporte urbano, pois tem a autonomia limitada à capacidade do
banco de baterias. São veículos indicados em operações controladas, com baixo
índice de interferência externa, para o transporte de pequenas cargas nos
centros urbanos e de passageiros em hotéis, empresas, centros turísticos, entre
outros.
A Eletra dispõe de tecnologia para desenvolver
veículos elétricos puros, de acordo com a aplicação e necessidade do cliente.
Em casos em que a autonomia seja uma dificuldade, a empresa desenvolve sistema
que utiliza pequeno grupo motor-gerador para recarga das baterias, em situação
de emergência, ou para um melhor balanceamento energético que permita aumentar
a autonomia e reduzir o consumo/emissão.
Este sistema é chamado de Híbrido Plug-in e permite
mesclar várias tecnologias, atendendo às necessidades operacionais, com baixos
índices de emissão. São veículos com zero emissão de poluentes.
Os ônibus elétricos já contam com a tecnologia de
tração, mas o custo e peso das baterias para alcançar a autonomia necessária
ainda impossibilitam o uso desse sistema. Avanços recentes na tecnologia de
baterias poderão permitir, num futuro próximo, a utilização desses veículos nas
linhas urbanas de passageiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança