Família rachada por herança milionária do Grupo Itapemirim

Fonte: Extra
Matéria/Texto: Marcelo Dias
Fotos: Diego Almeida Araújo/Bruna Prado – Agência O Globo

Mágoas, ressentimentos, uma família tradicional,
dois filhos adotivos e uma disputa por uma herança estimada em R$ 630 milhões.
Esta é a novela que prende a atenção dos 180 mil habitantes de Cachoeiro de
Itapemirim, no Espírito Santo, desde 15 de março de 2008, quando morreu Inês
Massad Cola. Junto com o marido, o deputado federal Camilo Cola (PMDB), ela
dirigia o Grupo Itapemirim, composto por dez empresas — entre elas, a Viação
Itapemirim. Pelo testamento, 37,5% dos bens da matriarca foram deixados para Camilo
Cola Filho, de 55 anos, e o resto, 12,5%, com sua irmã, Ana Maria, de 57.

A questão, no entanto, está na Justiça. Ana Maria
não quer fazer parte da sociedade que mantém as empresas. Um acordo financeiro foi
tentado, oferecendo-lhe um terreno avaliado em R$ 8 milhões. Ela recusou e a
família rachou.
Sem filhos biológicos, o casal adotou Camilinho,
como ele é conhecido na cidade, aos 4 anos. Na nova casa, recebeu o nome do pai
adotivo. Dois anos depois, chegou Ana Maria — sua irmã de sangue.
— Eu ia para o orfanato, mas uma freira da Santa
Casa me levou para lá. Meu irmão sempre viajava com eles e eu ficava em casa.
Eu me casei aos 18 anos, porque não aguentava as diferenças de tratamento. Ele
podia opinar em tudo e eu, em nada — desaba Ana Maria, que mora no Leblon.
Procurados, pai e filho não quiseram falar do caso.
— Minha mãe nunca foi minha amiga, mas sempre
abrandava as brigas, e eu tinha esperanças de que a divisão fosse meio a meio.
São muitas mágoas. No ano passado, discuti com meu pai e ele me jogou na cara
que ia deixar o mesmo testamento, igual ao dela. Ele nunca gostou de mim — diz
Ana Maria.

Desconfiada do irmão, ela foi à Justiça para
bloquear 12,5% dos bens do Grupo Itapemirim e reivindicar R$ 90 milhões:

Ex-presidente do Lions Club, o advogado Francisco
Maria Tedesco confirma o que toda a sociedade local sabe.

— O Camilo adotou o menino como filho e pôs o seu
nome nele, e a menina ficou como adotiva. A apreensão é grande pois são 6 mil empregos
diretos e 12 mil indiretos — afirma o advogado.
— Estamos apreensivos. A Cargo faliu e deixou 200
desempregados. Essa briga não é boa nem para eles — diz o presidente do
Sindicato dos Motoristas, Elias Brito Spoladore.

2 comentários em “Família rachada por herança milionária do Grupo Itapemirim”

  1. Muitos brigar por herança e acha o que traz felicidade e dinheiro ! O dinheiro e necessário para sobreviver, mais a única coisa que o dinheiro que não paga e a vida, se chegou o seu dia de partir nada te salva . Um exemplo quantos ricos não sobreviveu com a covid 19 e a batalha continua hoje vencemos mais um dia o amanhã pertence a Deus !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.
Como ficariam os ônibus urbanos da Itapemirim? Relíquias do Museu da Itapemirim O amor pede passagem Busscar El Buss da Auto Viação 1001 Número das vendas e exportações de carrocerias de ônibus – 04/2021 Montagens de modelos com o layout da Nacional e Continental O Apache Vip na frota metropolitana da Grande João Pessoa O Apache Vip na frota municipal de João Pessoa Apache Vip da Util Renovação de frota na Boa Esperança