Ônibus Paraibanos

Pioneirismo no andar de cima

Fonte: Revista AutoBus
Matéria/Texto: Antônio Ferro/JC Barboza

O ano era 1989, quando no 6º. Salão Internacional do
Transporte (conhecido como Brasil Transpo), foi apresentada uma carroçaria
inovadora e inusitada, porque não dizer, pois ainda não havia nada de igual no
segmento brasileiro de transporte rodoviário de passageiros. Era o Gemini,
produzido pela extinta encarroçadora Thanco, de Guarulhos (SP), pioneira também
na produção de um modelo urbano double decker para a cidade de São Paulo.
Apesar de não ser a primeira operação com um ônibus de dois andares em nosso
país – o princípio com esse tipo de veículo ocorreu na cidade do Rio de Janeiro
na década de 20 com algumas unidades importadas da Inglaterra – o fato é que
podemos destacar a sua aparição no cenário nacional como uma tentativa de
modernizar o sistema rodoviário naquela época, pois contávamos apenas com
modelos convencionais, que não ofereciam nenhuma inovação em termos de
conforto, visão panorâmica e versatilidade operacional.

A idéia com o novo ônibus era operá-lo na linha São
Paulo – Rio de Janeiro, a ponte rodoviária, num percurso com mais de 400 km,
com possibilidade na redução de até 50% no gasto com combustível,
transportando, em um único veículo, 80% a mais de passageiros que um modelo
convencional. Com essas vantagens, a Thanco esperava cair nas graças de
operadores e passageiros. Mas isso não aconteceu, pois as normas brasileiras
para a fabricação de ônibus engessavam qualquer tentativa de modificar o
conservador modo de transportar passageiros em ônibus por nossas estradas.
Somente 10 anos depois é que um outro modelo com dois andares ressurgiria e
começasse a transformar o panorama dos ônibus nacionais.
Além dos dois pavimentos, o Gemini lançou moda com
outras inovações, como o arranjo interno em seu salão de passageiros, sendo
possível oferecer dois tipos de serviços – leito no andar inferior e executivo
no superior ou uma categoria luxo, com alto grau em conforto e segurança, como
a instalação de uma sala de jogos, de estar ou até um pequeno bar no 1º. piso
(1,80 m de altura) e poltronas requintadas no 2º. pavimento (1,70 m). A
qualidade dos serviços era um impulso significativo para que o Gemini ganhasse
estrada. Dentre as suas principais características construtivas era destaque a
estrutura, construída com perfis de aço carbono na base, laterais e teto,
revestida de alumínio (teto e laterais) e fibra de vidro (frente e traseira). A
carroçaria possuía 13,20 m de comprimento e em sua configuração normal podia
ser equipada com 76 poltronas (20 no piso inferior e 56 no superior), além de
um amplo wc instalado ao lado da escada de acesso ao andar superior, que
promovia uma privilegiada visão externa.
Dotada do chassi Scania K112 TL, versão 6×2, com motor DSC
11 desenvolvendo 333 cv, caixa de transmissão com 5 velocidades e suspensão
pneumática em todos os eixos, a carroçaria Gemini possuía 4,26 m de altura,
dimensão que causou polêmica no DNER, então órgão que editava as regras para a
fabricação de ônibus rodoviários. O projeto Gemini ainda seguiu uma série de
procedimentos de acordo com os mais modernos conceitos brasileiros de ergonomia
encontrados naquela época, além de estar em harmonia com as principais normas
externas. Se o Gemini Thanco não obteve sucesso operacional por estar fora dos
parâmetros máximos dos modelos brasileiros de carroçarias, ele ficou
reconhecido pela ousadia em provocar as primeiras modificações no ônibus
brasileiro, transformando-se em um objeto de inspiração para outras marcas
encarroçadoras, em outros tempos.
A versão urbana


Dois anos antes do
lançamento do Gemini, a paulista Thanco, atendendo à um pedido incomum da
prefeitura paulistana, então administrada por Jânio Quadros, produziu para a
CMTC (Companhia Municipal de Transporte Coletivo) o modelo ODA (Ônibus Dois
Andares), que logo foi apelidado de “fofão” e “dose dupla”. A Scania também foi
a fornecedora do chassi K112 nessa parceria. A sua versão urbana não passou de
uma aventura, talvez como resultado de uma utopia do ex-prefeito paulistano
para dar ares londrinos à metrópole paulistana. Uma ressalva – esse modelo de
ônibus também foi utilizado em Goiânia, Recife, Uberlândia e Osasco. Hoje, as
cidades brasileiras de Curitiba, Manaus e Salvador redescobriram que esse tipo
de veículo pode se converter em sucesso nas suas linhas e rotas turísticas.
Transparaíba
Em nossas pesquisas, descobrimos um informativo curioso relacionado a empresa e ao gemini.
Porém em nossas pesquisas e consultando outros pesquisadores e colecionadores, não achamos nenhum registro relacionado á esse carro na Transparaíba e muito menos foi visto alguma unidade dele na empresa.
Compartilhe esta matéria
ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.