Ônibus Paraibanos

Jacob Barata – Ambição de construir

Fonte: Abrati
Complementação: JC Barboza/Philippe Figueiredo 

As opiniões dos amigos variam. Um diz que ele tem a ambição de construir, mas não de reter em suas mãos aquilo que constrói. Outro, que se trata de um comerciante nato, cujo maior deleite é vender. E outro, ainda, que tem o dom de saber escolher aqueles que vão ajudá-lo a transformar um negócio difícil em empreendimento de sucesso. Nessa matéria, vamos conhecer um pouco mais desse pioneiro empresário do transporte brasileiro!

É sempre assim. Ninguém consegue falar de Jacob Barata sem acrescentar qualificativos variados, que confluem para o perfil de um empresário de sucesso, com lugar garantido na restrita galeria dos pioneiros que sonharam e transformaram em realidade o sonho de construir um grande sistema de transporte de passageiros para o Brasil. É provável que uma única pessoa não goste de falar sobre Jacob Barata e sobre seu papel na construção desse sistema: ele próprio. Por isso, nesta tentativa de lhe traçar o perfil, não aparece nenhum depoimento pessoal seu. Como diz Dona Glória, “se houver possibilidade de não aparecer, ele prefere”.

A razão não é outra que o seu temperamento, seu jeito de ser. Simples, retraído, inibido no trato pessoal, até mesmo tímido: são essas as características que casam com o seu tipo de personalidade. Nos negócios, porém, é extremamente arrojado e dono de enorme visão comercial. Com essas qualidades e muito trabalho, Jacob Barata construiu, em pouco mais de 50 anos, um império que hoje dá emprego direto a mais de 27.000 pessoas em vários estados. De seus negócios, atualmente, dependem cerca de 100.000 pessoas. Mais do que um estádio do Maracanã lotado, em dia de jogo da Seleção Brasileira.

A origem de tudo foi um lotação de 12 lugares com que, em meados da década de 50, ele fazia a linha Madureira-Irajá, na cidade do Rio de Janeiro. Na estrutura do transporte de passageiros da cidade havia lugar para a figura do transportador autônomo -o chamado lotação. Mesmo assim, uma infinidade de bairros não dispunha de transporte coletivo para o centro da então capital do país. Jacob Barata foi pioneiro na ligação da Zona Oeste com o centro da cidade. Porém, as permissões para operar serviços de lotação foram extintos e ele teve de agregar seu único veículo à frota de uma empresa de ônibus do bairro de Rocha Miranda, um arranjo comum na época. Em seguida, adquiriu mais dois ônibus, que manteve agregados à mesma empresa. Seu pendor para os negócios começava o se delinear com mais clareza. Trabalhando dia e noite, dirigia um dos veículos e contratava motoristas para os outros dois.

Pouco tempo antes havia chegado de Belém do Pará, sua cidade natal. Na capital paraense, trabalhava em uma loja de discos. Mas seu pensamento teimava em voar para mais longe, para o Sul, para a cidade capaz de oferecer a um jovem de menos de 20 anos todos as oportunidades imagináveis. Agora, tratava de aproveitá-las.

Dona Glória 

 

Elizabeth

Em 1955, juntou-se a outros dois sócios e criou a Viação Elisabeth. Cada sócio era dono de dois ônibus. Dois anos depois, Jacob Barata fundou sua primeira empresa, com o nome de sua filha: Transportadora Rosane.

Ao longo dos anos seguintes, iriam revelar-se todo o tino comercial e a inquietude empresarial de Jacob Barata, exercitados simultaneamente no segmento de transporte urbano de passageiros e na revenda de veículos. Compraria, venderia e trocaria uma infinidade de empresas. As frotas seriam cada vez maiores e ele tornar-se-ia um dos grandes empresários de ônibus da cidade do Rio de Janeiro – condição alcançada com a aquisição da Viação Paranapuan, com mais de 100 carros e linhas que ligavam, principalmente, a Ilha do Governador ao centro da cidade. No processo de crescimento, avultariam algumas características de sua personalidade, como o gosto pelo risco, a enorme capacidade de trabalho e a habilidade para mobilizar pessoas.

Transportadora Rosane

 

Viação Glória

São dessa época algumas das lembranças mais marcantes da esposa, Dona Glória, e dos filhos Jacob, Rosane e David. Lembranças como a de um domingo de 1965 em que ele colocou a família no carro e, como de costume, saiu para dar uma volta. Desfizera-se há pouco da Viação Paranapuan e anunciara à família que, a partir daí, atuaria somente na revenda de automóveis. Dona Glória estava satisfeita, sabia que isso significaria menos trabalho e horários mais regulares para o marido. Mas naquele domingo, durante o passeio, Jacob Barata dirigiu até a garagem da Viação Glória e convidou mulher e filhos para conhecerem as instalações. Timidamente, anunciou que acabava de comprar a empresa, muito ligada ao desenvolvimento da cidade e a primeira a unir a Zona Norte à Zona Sul, com a linha Méier-Forte de Copacabana. Quem relata é a filha Rosane, hoje integrante da diretoria da holding que controla as empresas da família:

“Minha mãe começou a chorar e cobrou dele o cumprimento da promessa de não mais trabalhar com empresa de ônibus. Ele disse que não tinha conseguido resistir. A empresa levava o nome de minha mãe, talvez aquilo fosse um sinal para ele comprar e começar tudo de novo.”

O episódio retrata bem o empresário Jacob Barata. Sempre que sua mulher ficava aborrecida por ele ter feito uma dívida, dizia: “Se eu não arriscar, se eu não fizer dívidas, não vou crescer.” Por sua vez, Dona Glória comentava com os filhos: “Toda vez que está tudo sob controle ele precisa arranjar uma dívida. Ele não sabe ficar quieto.” Hoje, Rosane revela que o pai gostava daquilo, era algo que o estimulava: “Ele pegava uma empresa desestruturada, estruturava e passava adiante. Depois, buscava outro desafio. E assim foi crescendo, crescendo…”

Esse modo de operar levou-o a investir na compra da Citran, sua primeira experiência no segmento rodoviário. Não deu muito certo, como relata Eurico Galhardi, diretor da holding e sócio de Jacob Barata em uma das empresas do grupo: “Operar o segmento urbano é bem diferente de operar o rodoviário. A cabeça dele era urbana e Jacob não se sentiu muito à vontade no novo negócio, por isso se desfez-se logo dele.”

Mas não era um afastamento definitivo. Quando surgiu a oportunidade de adquirir a Normandv, fechou o negócio, disposto a aproveitar os ensinamentos deixados pela tentativa anterior. Hoje, além da Normandy, tem a Expresso Guanabara, de Fortaleza, empresa-padrão do segmento interestadual. Mais recentemente, comprou a ÚTIL,  de Belo Horizonte e Real Expresso, Rápido Federal e Planalto de Brasília que se destacam pela qualidade dos serviços e pelas inovações que costuma lançar. Em todas essas aquisições, prevaleceu o seu feeling para os negócios.

Ele vê longe, explica a filha Rosane. “Meu pai tem certas premonições que são só dele. Enxerga muito à frente do que nós conseguimos enxergar e, por isso, consegue fazer previsões que quase sempre vão acontecer lá na frente.”

Além das três empresas rodoviárias, o grupo é dono de duas concessionárias Mercedes-Benz e de grande número de empresas de transporte urbano de passageiros, inclusive duas em Portugal. Também possui hotéis fora do Brasil. Recentemente, no Rio de Janeiro, ingressou no ramo hospitalar. Somadas as frotas das sete rodoviárias (Guanabara, Útil, Real Expresso, Rápido Federal, Brisa, Única e Fácil), são mais de 1000 carros. Já a frota total das empresas urbanas está na casa dos 4.000 veículos. As empresas do grupo operam nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Ceará, Pará, Paraíba e Piauí.

Há já algumas décadas Jacob Barata pode se considerar um empresário extremamente bem-sucedido.

Se quisesse, a qualquer momento poderia parar de trabalhar, mas isso não faz parte dos seus planos imediatos. E, certamente, não é por causa de dinheiro: “O dinheiro é um acidente na vida das pessoas. Elas podem ter hoje e não ter amanhã”, ele costuma ensinar aos filhos. “Para ele, parar seria morrer”, revela sua esposa. Diariamente, continua saindo de casa às oito da manhã e voltando às oito da noite. A jornada mínima é de nove horas de trabalho, Mas não abre mão de uma pausa para desaceleração, no fim do dia: por volta das seis ou sete da noite, encerra o expediente e reúne alguns diretores e amigos mais próximos para uma rodada de biriba, cada um nivelado aos demais, sem hierarquias, exposto às gozações recíprocas.

Os filhos são seus admiradores fanáticos, trabalham ao seu lado e estão com ele boa parte do dia. Assim mesmo, costumam reunir-se fora do escritório todas as sextas-feiras e domingos. Jacob Barata não gosta de vida social externa. Também não costuma trazer o mundo dos negócios para dentro de casa. O círculo dos que privam de sua casa -excetuados os filhos Jacob, Rosane e David, os dez netos e os três bisnetos – é reduzido e fiel. Fez grandes amigos ao longo da vida, amigos de 40, 50 anos, amigos de uma vida inteira. Esses são os de quem ele mais gosta. Seu lazer preferido é ficar com a família nos fins de semana. Uma vez por ano faz uma viagem de lazer com toda a família, que, aliás, inspirada pelo sucesso do chefe do clã, gosta muito de ônibus.

Saens Peña
Ideal
Jabour
Vila Real
Nossa Senhora de Lourdes
Verdun

Com toda essa convivência, a filha Rosane ainda reclama contatos mais freqüentes. Diz que todo dia há sempre uma lição nova para aprender com o pai, que no ambiente de trabalho é chamado de “O Cabeça Branca” pelos mais íntimos, numa alusão à sua experiência, sabedoria e, é claro, aos cabelos totalmente embranquecidos. “Sentar ali na esquina da mesa dele é melhor do que fazer qualquer MBA. Não há é pós-graduação que se iguale. Trabalhar com ele é uma escola diária de vivência e um aprendizado de humildade”.

 Braso Lisboa

Por isso, ela espera que um dia ainda venham a ser sistematizadas reuniões semanais entre o pai, as filhos e os principais executivos das diversas empresas, simplesmente para ouvir Jacob Barata falar sobre suas experiências, seu modo de realizar negócios, seu jeito de administrar. “Principalmente sobre a visão que ele tem das coisas, a maneira simples de resolver o desmanchar de uma sociedade, a saída de um sócio, a naturalidade com que encara os desafios mais difíceis, a maneira como resolve tudo e comanda os demais”.

Normandy, desativada essa semana

Ela está falando de um empresário com mais de 100 sócios, cada um com seu jeito de ser e de pensar, muitos dos quais começaram com ele, dirigindo lotações ou ônibus urbanos, supervisionando operações e conferindo a féria-diária. Gente que subiu com ele, graças a uma de suas qualidades como empresário: a de saber dar oportunidade aos seus colaboradores. Dona Glória, que costuma referir-se ao marido como “um moderno empresário de 71 anos”, sentencia: “Ele não é uma pessoa ambiciosa no sentido de querer tudo só para ele. Ele cresceu, mas teve a preocupação e o cuidado de trazer muita gente para crescer com ele. Para mim, este é o grande mérito de Jacob como empresário”.

Compra da Transparaiba 

A compra da empresa se deu em 1995, e para vocês terem uma idéia da importância dessa aquisição, o próprio Jacob Barata veio fechar o negócio, pelo ponto estratégico da Transparaíba para sua expansão pelo nordeste. Segundo um relato de um amigo que era motorista da Transparaíba e depois da Guanabara, o empresário chegou a João Pessoa em seu próprio avião e foi direto para a garagem em Bayeux. Quando Jacob chegou, tinha uma roda de funcionários entre eles o motorista. Então,um outro motorista falou: É ESSE DAÍ QUE QUER COMPRAR A TRANSPARAÍBA? SORRIU E DISSE: MAL VESTIDO DESSE JEITO (CALÇA JEANS DESBOTADA E CAMISA POLO MAIS UM TÊNIS), ESSE P…. LÁ TEM DINHEIRO PARA COMPRAR A EMPRESA, É UM CONVERSADOR…

Estava totalmente enganado. Jacob Barata pagou uma quantia interessante pela empresa e toda sua estrutura: GARAGEM DE BAYEUX, 56 VEÍCULOS e TRANSPARAÍBA CARGAS E ENCOMENDAS. A Transparaíba depois que os sócios desfizeram a sociedade, passou a enfrentar dificuldades de renovar a frota e manter a empresa. Porém,uma falta de gestão foi quem minou a Transparaíba. Todo político do interior tinha talões de passagem que as vezes não pagavam a empresa, carros velhos, sem manutenção e limpeza além de lotar os ônibus (as vezes com 20 a 25 pessoas e pé) e vender poltronas mais de uma vez a diferentes pessoas,animais como bodes e carneiros carregados na mala.

Outro fator, que rolam por baixo, dizem que a Transparaíba foi afundando e ficou sem dinheiro, pois seu pai Waldeno Brito seu pai bancava todas as despesas de Waldeno Brito Filho na stock car e formula Fiat que são esportes bastante caros e consomem muito dinheiro. Em 1999 a Transparaíba some de vez e ficou somente a lembrança e a Expresso Guanabara assume em definitivo suas linhas.

Empresas do Jacob Barata ou que ele é sócio

Guanabara diesel
Ceará diesel
Guanabara Empreendimentos Imobiliários
Sedan Comércio e Importação de Veículos
Hotel Mar Ipanema
Banco Guanabara
Empresa Viação Ideal
Viação Vila Real
Viação Verdun
Viação Saens Pena
Transurb
Empresa de Transporte Braso Lisboa
Auto Viação Tijuca
Auto Viação Alpha
Viação Nossa Senhora da Penha
Viação Nossa Senhora de Lourdes
Viação Nossa Senhora do Amparo
Viação Dedo de Deus
Viação Primeiro de Março
Auto Viação Salineira
Viação Montes Brancos
Auto Viação Jabour
Rodoviária A.Matias
Útil
Real Expresso
Brisa Ônibus
Rápido Federal
Expresso Guanabara
Fácil Transportes e Turismo
Única Petrópolis Transportes
Auto Viação Dragão do Mar
Auto Viação Fortaleza
Auto Viação Urbana
Empresa Vitória
Viação Metropolitana
Guarulhos Transportes
Empresa de Ônibus Guarulhos

22 comentários em “Jacob Barata – Ambição de construir”

  1. Detalhe: a Normandy não foi desativada. Ela apenas repassou suas linhas rodoviárias à Util, e vendeu as linhas urbanas do setor Paracambi para a Blanco, e as linhas urbanas do setor Miguel Pereira-Paty do Alferes para a Linave. Hoje a empresa está somente com o turismo.

  2. Ola !! Primeiro parabens pela materia !! Otima historia !! Agora esqueceu de mais 1 detalhe nessa historia toda desse empresario !! Eles ( o grupo ) ainda tentaram se aventurar na aviacao comercial, assumindo ( ou assumindo em parte ) da empresa WEBJET ( hoje pertencente a Gol, e que jah foi do Holdin CVC tb, isso mesmo as agencias de viagens da CVC ) !! Era so pra lembrar disso tb !! Parabens e abracos !! Alex RJ BR

  3. PARABENS, a equipe pelo belissimo levantamento. Mas tem uma empresa que nao foi citada, BELEM RIO , em Belem, a qual o meu ex-patrão Edgard Romero exs-dono da BOA VIAGEM, é o diretor executivo; Quanto ao Empreeendedor Jacob, ainda ouveram inumeras empresas que ele comprou e fundiu as que hoje operam na minha cidade do Rio de Janeiro, Abraços CLAUDIO ROBERTO – DIRETOR DA PB RIO TRANSPORTES LTDA

  4. A Viação Pendotiba Faz Parte Do Grupo Jacob Barata , Sendo o Dono Majoritario,e Tendo Como Administrador Seu Armando que tbm adm a vera cruz de Belford Roxo, Antes a Pendotiba era Do zé do pau , que foi devolvira para jacob barata.

  5. Bela reportagem, mas vale citar que o caos no transporte carioca se deve ao monopólio desse senhor em algumas regiões da cidade do Rio de Janeiro. As empresas na qual ele comanda ainda nem se quer se movimentaram para seguir o padrão estabelecido pela prefeitura (que por sua vez abre as pernas para esse senhor). Padrão básico, visto que muitas outras capitais estão aderindo. Qual a dificuldade em implantar ônibus com motores traseiros e piso baixo visto que o grupo lida com ônibus rodoviários de motores traseiros e possui capital para a compra desse tipo de modelo? Por isso que admiro cada vez mais a administração da Transportes Vila Isabel e da São Silvestre por serem as únicas empresas a prestarem um serviço de qualidade na cidade.

  6. SÉRGIO RICARDO DOS SANTOS

    TAMBÉM PARABENISO AO GRUPO EMPRESARIAL DE TRANSPORTES JACOB BARATA E TODA AFAMÍLIA "BARATA",DEMONSTRANDO COMPETÊNCIA NO RAMO EMPESARIAL DE TRANSPORTES

  7. Numa boa: essas pessoas que estão rasgando seda pro Baratão não vivem no Rio, vivem?! As linhas de ônibus administradas por este "empresário" são completamente abandonadas, operadas por motoristas despreparados que não param em sinais de trânsito, andam sempre acima da velocidade, não param para idosos, deficientes ou estudantes. São linhas que deixam de operar durante a semana às 22h (476 Leblon – Méier) obrigando centenas de trabalhadores a pegar 2 ônibus, motoristas que liberam a entrada de catadores de lixo e viciados em crack na Central do Brasil (472 Triagem – Leme, 475 – Prado Júnior, 474 – Jardim de Alah) e liberam a entrada de moradores de comunidades do Jacaré, Mangueira e Tuiuti (474,475,476) que depredam os veículos, fumam maconha, entoam gritos de guerra de facções que dominam as comunidades e muitas vezes assaltam passageiros! Tem convênio com o Metrô Rio (209 Caju-Estácio) em que passageiros são obrigados a aguardar um mínimo de 20 minutos no ponto para complementar sua viagem!

    Quando esse conjunto de características for sinônimo de qualidade de serviço ao público, eu me mudo pra lua!!!

  8. O sr Jacob Barata realmente é um empreendedor admirável, tem excepcional tino comercial e desenvolveu um império constituído por empresas idôneas.
    Entretanto a qualidade dos serviços prestados pelas empresas de ônibus, em geral, é de péssima qualidade e isto se deve a falta de concorrência, presente em quase todos os seguimentos de negócios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.