Quatro décadas do monobloco

Fonte: Revista Inbus Transport, Ano 6, Edição 27
Adaptada por: JC Barboza
Monoblocos O-365 da extinta empresa estatal Setusa
A Mercedes-Benz nasceu na Alemanha, em 1926, com a fusão da Benz & Cia. Rheinische Automobil und Motoren Fabrik AG e da Daimler Motoren Gesellschaft, e desde então já projetava os melhores veículos comerciais pesados, tanto para caminhões como para ônibus. Por aqui chegou em 1953 e inauguraria a fábrica em 1956. Dez anos após lançava o modelo O-326, o monobloco rodoviário (ainda de frente “bicuda”). Nessa matéria de conteúdo histórico, a revista Inbus Transport abordou um pouco da história dos Monoblocos Mercedes-Benz, não deixem de ler 🙂

A dinastia começou em 1958 até a chegada dos monoblocos, cujo mercado nacional era caracterizado pelos ônibus de carroceria montada sobre carrocerias de caminhão. Em dezembro de 1968 são apresentados os novos veículos O-321H//RI e O-326, com nova frente, totalmente reestilizada. A Mercedes-Benz inovou ao oferecer este tipo de produto. Em novembro de 1969 são lançados os novos monoblocos O-352 H/HL. Na foto ao lado, um Monobloco Mercedes-Benz a linha de produção.
Apto para atuar tanto no serviço urbano como no interurbano (interligando municípios próximos), os ônibus da marca davam os sinais de liderança e preferência do empresariado brasileiro. Vinha com motor OM-352 de 130 cv DIN, e a garantia de que o ruído do motor ficava do lado de fora, aumentando o nível de conforto aos passageiros sentados (layout interno para transportar 36 passageiros sentados).
Publicidade da Mercedes-Benz e seu Monobloco na década de 1960
Com isso o produto ganharia fama e prestígio em terras brasileiras. O “monobloco” se tornava o ônibus mais vendido da década de 70. Surgem então em 1971 o modelo O-362 (de bagageiros passantes e de 36 lugares) e a versão mais “apimentada” – de propulsão OM-355 de 5 cilindros e 170 cv de potência, denominada de “O-355” (para 40 passageiros). Em 1978 é lançado o ônibus monobloco urbano O-364 11R (motor: OM-352 de 130 cv e ainda o de 170 cv) para operarem no serviço de transporte urbano. Meses depois vem o O-364 12R e 13R (rodoviários) – na dura missão de substituir um grande ícone.
Monobloco O-370 Mercedes-Benz da Guarabirense
De motor traseiro, câmbio manual de cinco marchas, transmissão do tipo eixo-cardã, freios pneumáticos, suspensão dianteira composta de molas helicoidais e uma estrutura única, eram consideradas modernas para a sua época. A família de monoblocos Mercedes-Benz (iniciados a partir da série O-321 – “bicudinho”), evoluiu para os modelos O-352 (1969), O-362 (1971), O-364 (1978), O-370 (1984), O-371 (1987) e a última série O-400 (1993), finalizando em 1996 a produção do “monobloco”, sendo a última unidade comercializada para a Viação Itapemirim (ES). Assim. lá se vai [pouco mais de] quatro décadas do aparecimento do “ônibus integral” no Brasil, veículo de maior sucesso em toda a história desse país. Mais fotos de Monoblocos:
Viação Gaivota, a empresa não existe mais e era do mesmo grupo da atual EV Bonfim; também teve seus Monoblocos M-Benz

Mercedes-Benz Monobloco O-371U da Setusa num de seus primeiros dias de operação, em Outubro de 1988

One Reply to “Quatro décadas do monobloco”

  1. Daniel Silva disse:

    Grandes amigos uma linda viajem abordo do bus team proporcionado pela bela historia dos Monoblocos que marcaram as ultimas 4 decadas desse modelo que fez historia em nossas estradas.Parabens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.