Quatro décadas do monobloco

Fonte: Revista Inbus Transport, Ano 6, Edição 27
Adaptada por: JC Barboza
Monoblocos O-365 da extinta empresa estatal Setusa
A Mercedes-Benz nasceu na Alemanha, em 1926, com a fusão da Benz & Cia. Rheinische Automobil und Motoren Fabrik AG e da Daimler Motoren Gesellschaft, e desde então já projetava os melhores veículos comerciais pesados, tanto para caminhões como para ônibus. Por aqui chegou em 1953 e inauguraria a fábrica em 1956. Dez anos após lançava o modelo O-326, o monobloco rodoviário (ainda de frente “bicuda”). Nessa matéria de conteúdo histórico, a revista Inbus Transport abordou um pouco da história dos Monoblocos Mercedes-Benz, não deixem de ler 🙂

A dinastia começou em 1958 até a chegada dos monoblocos, cujo mercado nacional era caracterizado pelos ônibus de carroceria montada sobre carrocerias de caminhão. Em dezembro de 1968 são apresentados os novos veículos O-321H//RI e O-326, com nova frente, totalmente reestilizada. A Mercedes-Benz inovou ao oferecer este tipo de produto. Em novembro de 1969 são lançados os novos monoblocos O-352 H/HL. Na foto ao lado, um Monobloco Mercedes-Benz a linha de produção.
Apto para atuar tanto no serviço urbano como no interurbano (interligando municípios próximos), os ônibus da marca davam os sinais de liderança e preferência do empresariado brasileiro. Vinha com motor OM-352 de 130 cv DIN, e a garantia de que o ruído do motor ficava do lado de fora, aumentando o nível de conforto aos passageiros sentados (layout interno para transportar 36 passageiros sentados).
Publicidade da Mercedes-Benz e seu Monobloco na década de 1960
Com isso o produto ganharia fama e prestígio em terras brasileiras. O “monobloco” se tornava o ônibus mais vendido da década de 70. Surgem então em 1971 o modelo O-362 (de bagageiros passantes e de 36 lugares) e a versão mais “apimentada” – de propulsão OM-355 de 5 cilindros e 170 cv de potência, denominada de “O-355” (para 40 passageiros). Em 1978 é lançado o ônibus monobloco urbano O-364 11R (motor: OM-352 de 130 cv e ainda o de 170 cv) para operarem no serviço de transporte urbano. Meses depois vem o O-364 12R e 13R (rodoviários) – na dura missão de substituir um grande ícone.
Monobloco O-370 Mercedes-Benz da Guarabirense
De motor traseiro, câmbio manual de cinco marchas, transmissão do tipo eixo-cardã, freios pneumáticos, suspensão dianteira composta de molas helicoidais e uma estrutura única, eram consideradas modernas para a sua época. A família de monoblocos Mercedes-Benz (iniciados a partir da série O-321 – “bicudinho”), evoluiu para os modelos O-352 (1969), O-362 (1971), O-364 (1978), O-370 (1984), O-371 (1987) e a última série O-400 (1993), finalizando em 1996 a produção do “monobloco”, sendo a última unidade comercializada para a Viação Itapemirim (ES). Assim. lá se vai [pouco mais de] quatro décadas do aparecimento do “ônibus integral” no Brasil, veículo de maior sucesso em toda a história desse país. Mais fotos de Monoblocos:
Viação Gaivota, a empresa não existe mais e era do mesmo grupo da atual EV Bonfim; também teve seus Monoblocos M-Benz

Mercedes-Benz Monobloco O-371U da Setusa num de seus primeiros dias de operação, em Outubro de 1988

1 comentário em “Quatro décadas do monobloco”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Senior da PB Rio Apache Vip V da Viação Pendotiba Apache Vip V da N.S. Penha Vissta Buss 360 da 1001 Torino da Turp Transporte Viação Águia Branca estreia o Marcopolo G8 Apache Vip V da Transportes Flores Apache Vip IV da Auto Viação Vera Cruz Viação Águia Branca recebe os primeiros Marcopolo G8 Apache Vip IV da Viação Araçatuba Novos chassis rodoviários Volvo para longas distâncias Apache Vip IV com a nova identidade da N.S. Penha