O surgimento dos códigos numéricos das linhas em JP e CG

Fonte: Portal OnibusParaibanos.com
Matéria / Texto: Kristofer Oliveira
Prefeito de JP e uma das placas de ferro laterais removíveis
A vista numérica, número da linha ou código da linha foi implantado nos anos 80 no transporte urbano de Campina Grande e João Pessoa. Como ambas cidades estavam em expansão e houve uma certa demanda para criação de novas linhas, muitas dessas poderiam ser confundidas nos bairros que tinham mais de uma mediante diferentes itinerários. Vejam nessa matéria histórica realizada graças às pesquisas realizadas pela equipe do Portal OnibusParaibanos.com através da Paraíba Bus Team ® como e quando surgiu os códigos das linhas urbanas em JP e CG!!!

Apenas a plaquinha com a indicação da avenida principal que transita ou o nome do bairro na vista principal estava totalmente obsoleta. Como seria pegar um ônibus com a vista TAMBAÚ hoje em dia? Teria como saber se era a 510 ou 511, por exemplo? E o que dizer de MANGABEIRA? Mesmo se tivesse a plaquinha “via Pedro II”, o usuário teria dificuldade de saber se era a 301 ou 303.
CAIO Amélia da Nacional em CG
A implantação dos números nas linhas veio para resolver esse problema. Em João Pessoa, especificamente, serviu também para indicar o corredor que tal linha transita. Em Campina Grande, existe registro de 1985 com essas numerações implantadas, conforme a imagem ao lado do antigo 0018 da Nacional, o CAIO Amélia, indicando a linha 333 – Leste / Oeste (existente até hoje, uma das linhas de maior demanda em CG). O 18 no lado esquerdo do itinerário era o prefixo do carro. É certo que Campina Grande se adiantou a capital paraibana nesse quesito.
Em João Pessoa, o código nas linhas foi implantado em 1986 no primeiro ano de gestão municipal do renomado médico Antônio Carneiro Arnaud , que governou o município até 1989. Em setembro de 1986 já era visível a implantação com os Monobloco da Etur na foto ao lado, com a plaquinha de ferro lateral da linha 111 – Valentina e da vista lonada da linha 108 – Alto do Mateus em outro Monobloco também da Etur.
Detalhe para os códigos das linhas já presentes na placa lateral removível ao lado direito na imagem, e no itinerário frontal do Monobloco Mercedes-Benz da Etur ao fundo

One Reply to “O surgimento dos códigos numéricos das linhas em JP e CG”

  1. Marcos Filho disse:

    Vivenciei a implantação destas placas e junto com elas as paradas de ônibus cobertas receberam placas verticais fixadas numa das colunas, com a linhas que passavam naquele ponto. Onde não havia parada coberta foram colocados totens de concreto (semelhantes as colunas das paradas)para receberem as placas com as linhas do ponto. Mesmo com a introdução dos códigos ainda permaneceu por um bom tempo detalhes como na linha de Mangabeira que trazia: "direto" linha que iam pela Josefa Taveira e "por dentro" linhas que iam pela atual principal do 303 que na época tinha apenas as linhas 303 e 515. Os carros de Mangabeira também traziam a placa com o nome do corredor, ou seja, traziam Pedro II direto (atual 301) ou por dentro (atual 303) e Epitácio direto (516) ou por dentro (515).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.