Vendas de ônibus superam estimativas

Fonte: WebTranspo
O número de ônibus vendidos no Brasil em 2011 foi de 34.749 unidades. O resultado significou um crescimento de 21,73% em relação a 2010, mais que o dobro da expectativa de alta para o setor no ano, que era de 10,3%, segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). “Esperamos crescer ainda mais neste ano, embora estejamos sujeitos às políticas municipais, já que em ano eleitoral os prefeitos não querem conceder aumento de tarifa.


O que pode implicar numa retração na compra de ônibus pelas empresas”, afirma Antonio Carlos Melgaço Knittel, presidente da Fetrabase (Federação das Empresas de Transportes dos Estados da Bahia e Sergipe). Nos meses de novembro e dezembro o crescimento foi ainda maior, com alta de 23,04% nos emplacamentos na comparação com o mesmo período do ano anterior. De acordo com o dirigente da Fetrabase, a boa fase da economia estimulou a renovação de frota pelas empresas em praticamente todo o país.
A liderança de vendas no segmento em 2011 foi da Mercedes-Benz, com 42,26% de participação no mercado, seguida pela Volkswagen, com 31,91%. Na sequência aparecem Marcopolo, Scania, Iveco e Volvo com, respectivamente, 11,38%, 4,02%, 3,97% e 3,88% da fatia do mercado. Por outro lado, a soma de emplacamentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus ficaram abaixo da expectativa em 2011. O total de vendas foi de 3.633.006 unidades, crescimento de 3,63% em relação a 2010, abaixo do que previam as concessionárias, que estimavam uma alta de 4,2%.
“A crise na Europa também trouxe reflexos ao país, mas os resultados foram positivos mesmo com pequena retração. A crise contribuiu para a restrição de crédito no Brasil, mas isso não afetou o resultado final, e fechamos 2011 com números expressivos”, diz Flávio Meneghetti, presidente da Fenabrave. Para 2012, a entidade espera um crescimento de 5,76% nas vendas, incluindo automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motos. Para caminhões, é prevista alta de 9,6% e, para ônibus, de 14,3%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este conteúdo é protegido.