Ônibus Paraibanos

Ônibus Padron e seus 30 anos

Matéria por JC Barboza com base em pesquisas realizadas na
Revista Inbus Transport, edição 11
Comemoramos os 30 anos de uma das principais fases de adequação para o segmento urbano no país: nascia o projeto do ônibus padron. Na ocasião, nossos ônibus convencionais já não atendiam as necessidades do mercado, e as mudanças vinham de encontro do consenso racional, muita engenharia e parceria entre as encarroçadoras da época. Nessa matéria, conheça um pouco mais sobre os ônibus Padron!
Marcopolo Torino com chassi da Mercedes-Benz

As primeiras unidades mostravam a preocupação dos técnicos e engenheiros, resultando num lay out interno mínimo de 37 passageiros sentados: mais espaço, mais conforto com poltronas estofadas, mais segurança e padronização nas janelas laterais das carrocerias.
Foram cinco modelos básicos nas primeiras unidades: duas carrocerias marcopolo (San Remo e Torino) – chassis Volvo e Mercedes-Benz, duas Caio (Amélia e Gabriela) também com chassis Volvo e Mercedes-Benz e um Ciferal com chassi Scania. As pesquisas preliminares foram identificadas após vários estudos do GEIPOT (Empresa brasileira de planejamento de transportes) administrados pelo técnico responsável José Boissy Tenório de Melo- considerado o pai do projeto Padron, EBTU (Empresa brasileira de transportes urbanos) – hoje extintas e a ANTP (Associação nacional dos transportes públicos)- pioneiras no desenvolvimento aplicado com bases e pesquisas dos coletivos e seus sistemas que circulavam em continente europeu.
O veículo do projeto padron destinava-se a operação urbana dos grandes centro do país, visando proporcionar um aumento sensível na qualidade do transporte de passageiros. Incorporava os avanços técnicos em relação aos modelos existentes em circulação. Foi a iniciativa do governo federam através do ministério dos transportes  e a colaboração de diversos orgãos ligados ao setor, desenvolveu como fase preliminar um veículo moderno e seguro.
O tópico do projeto padron foi estabelecer normas para a fabricação de um urbano ideal, motivando melhorar o nível de atendimento ao usuário, principalmente no que se refere ao transporte das grande capitais e cidades do país e adequação das vias planejadas ou pistas exclusivas. Pois se observa que, mesmo a mais de vinte anos, as preocupações já eram emergentes, como acontece nos dias atuais, com a introdução dos ônibus de piso baixo, permitindo assim adequar a acessibilidade e mobilidade no coletivo urbano de passageiros no dia-a-dia das pessoas.
Ciferal Padron Alvorada com chassi Volvo B58
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO PROJETO PADRON
Localização do motor: Traseiro ou no entre eixos
Características do motor: Potência/Torque acima de 9 kw/t e 40 Nm/t
Nível do ruído: abaixo de 75 db (A)
Nível máximo de fumaça: esc 4 alt. 500mm
Transmissão: Obrigatoriamente automática
Suspensão: Obrigatoriamente pneumática
Chassi: Especificamente para ônibus com baixa altura do piso
Sistema de freios: Pnemático, dois circuitos e freio de estacionamento-independentes
Painel de intrumentos: Instrumentos de advertência, luz central de alarme e o máximo de informações para o motorista
Durabilidade: Componentes: vida útil de 800 mil KM – 10 anos de operação
Comprimento total: 12000 mm
Largura: 2600 mm
Portas laterais: 3 portas de 1100 mm de largura e 2000 mm de altura
Altura máxima do primeiro degrau: 370 mm
Passageiros sentados: 37
Passageiros em pé: 47
Com dados de: GEIPOT/EBTU/ANTP
Se hoje observamos nossos ônibus, devemos lembrar dos primeiros modelos, que há 30 anos atrás. iniciaria a mudança nos transportes coletivos do país. O nome já diz tudo: Padron. Graças ao desempenho dos técnicos e a unidade entre os encarroçadores, todos ganham com a adequação de um produto específico e padronizado para o segmento urbano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ATENÇÃO: Este conteúdo é protegido.